Pesquise as matérias do JT:

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Superintendente da Susipe chega a Tucuruí

 Superintendente do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), Tenente Coronel André Moura





WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Fotos: Wellington Hugles

Por volta das 11:30 o Superintendente do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), Tenente Coronel André Moura, chegou de avião em Tucuruí, sudeste paraense, dirigindo-se diretamente para o Centro de Recuperação de Tucuruí (CRRT), onde também ouviu dos detentos rebelados as inúmeras denuncias e as privações que segundo eles, passam dentro do CRRT, tudo em função ao não cumprimento do acordo celebrado no último dia 22, no momento da manifestação de “socorro”, entre os internos e o diretor Melo, além da situação sub-humana que atravessam dentro do Centro, e exigem melhorias estruturais e a diminuição do número de detentos do Centro de Recuperação Regional de Tucuruí (CRRT), que deveria operar com 120 internos e hoje ultrapassam 320 detentos, colocando em risco a integridade física e à saúde, tanto dos apenados como dos funcionários e prestadores de serviços, assim como dos Polícias Militares que fazem a proteção do CRRT.

A Polícia Militar contínua com o contingente de 14 militares do Tático da PM e mais dez Policias Militares, comandados pelos quatro oficias da Polícia Militar do Pará presentes no Centro.
O superintendente André Moura esta neste momento ouvindo as reinvindicações dos rebelados que exigem a transferência imediata do Tenente Coronel Melo da direção do Centro de Recuperação de Tucuruí, por entenderem que os modos administrativos do diretor estão contrários a realidade que hoje atravessa os centros de recuperação do estado.

Na oportunidade os familiares aglomerados na frente do Centro, também denunciaram que, “seus filhos e maridos estão passando as piores privações, sendo obrigados a conviver em uma cela com uma capacidade máxima que seria de 40 internos, hoje convivem com 70 presos, os internos são obrigados a dormirem dentro dos banheiros fétidos, em redes em cima da pia e do vaso sanitário”.


Os familiares esclarecem ainda, que ainda não era de conhecimento do superintendente da SUSIPE as ações impostas pelo diretor Melo, segundo os familiares, “passamos a ser maltratadas no momento de nossas visitas, em função de termos afirmados na rebelião passada, quando o diretor Melo ainda estava de férias de Natal, que nós as mulheres dos detentos somos assediadas moralmente e até sexualmente”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário