segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Usina Hidrelétrica de Tucuruí comemora 30 anos gerando energia e desenvolvimento para o Pará e o Brasil

Usina Hidrelétrica de Tucuruí a maior usina genuinamente brasileira
Casa de força da UHE Tucuruí com 25

 turbinas em plena geração de energia

Inauguração da primeira turbina geradora em 22 de novembro de 1984, em Tucuruí, pelo presidente General João Batista Figueiredo

Registro do primeiro lançamento de 

concreto da UHE Tucuruí, na

 foto histórica Camargo Corrêa e 

Garcia Lanno

  Inauguração da 13ª turbina, em 2002, pelo 

presidente Fernando Henrique Cardoso

Inauguração da 17ª turbina da UHE Tucuruí, pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, juntamente com o governador Simão Jatene e a ministra Dilma Rouseff

O ex-presidente da Eletronorte e atual diretor da Eletrobras, Engenheiro Antonio Muniz Lopes, um dos principais idealizadores da UHE Tucuruí, UHE Belo Monte e defensor da instalação da 3ª etapa da UHE Tucuruí

Senador da República representante do estado do Mato Grosso do Sul, Delcidio Amaral, primeiro Superintendente da Usina Hidrelétrica de Tucuruí será homenageando na programação dos 30 anos da UHE Tucuruí
Atual Superintendente da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, engenheiro Antonio Augusto Bechara Pardauil, atuando com competência e responsabilidade na gestão de Geração Hidráulica, sendo reconhecida pela Fundação Nacional da Qualidade através da conquista da premiação no Programa Nacional de Qualidade - PNQ
O diretor de Operação da Eletrobras Eletronorte, Wady Charone Júnior juntamente com o Superintendente de Geração Hidráulica da UHE Tucuruí Antonio Augusto Bechara Pardauil
O diretor de Operação da Eletrobras Eletronorte, Wady Charone Júnior recebendo premiação nacional representando a Eletronorte Eletrobras

Diretoria da Eletronorte participou do acionamento da iluminação tradicional em comemoração as festas Natalinas em Tucuruí, na noite desta segunda-feira (24)









WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Arquivo Divulgação/Wellington Hugles


A Usina Hidrelétrica de Tucuruí construída no Rio Tocantins, em Tucuruí, sudeste do Pará, tem sua capacidade geradora instalada de 8.370 MW. É a maior usina hidroelétrica 100% Brasileira em potência instalada. Seu vertedouro tem a capacidade de escoar 110.000 m³/s no período do inverno, sendo o segundo maior vertedouro do mundo. A construção foi iniciada em 24 de novembro de 1974, e sua primeira fase inaugurada em 22 de novembro de 1984 pelo presidente general João Batista Figueiredo, há época com a capacidade de gerar 4000 MW, ampliada em meados de 2010 para a capacidade geradora de 8.370 MW, através de suas 25 turbinas em que estão em pleno funcionamento.

Grandiosidade 

A Usina Hidrelétrica de Tucuruí teve os primeiros estudos de engenheiros brasileiros para aproveitamento hidrelétrico do Rio Tocantins por volta do ano de 1957. O projeto ganhou força na década de 60 como parte de políticas do Governo Federal para o desenvolvimento e integração da Amazônia, e para atender a indústria de alumínio gerada pelos jazigos de bauxita da região. Outro objetivo era possibilitar a navegação naquele trecho do rio, originalmente cheio de corredeiras.

O projeto civil foi feito pelo Consórcio Projetista Engevix-Themag. A construção coube à Construtora Camargo Corrêa, e quebrou todos os recordes mundiais de terraplenagem, exigindo 50.223.188 m³ de escavações, 41.600.000 m³ de aterro, e 6.000.000 m³ de concreto.

As turbinas e suas instalações foram projetadas na França pelo laboratório da Neyterc na cidade de Grenoble. Seis turbinas foram construídas no Brasil e as outras seis na França.

A barragem de Tucuruí, de terra, tem 11 km de comprimento e 78 m de altura. O desnível da água varia com a estação entre 58 e 72 m. O reservatório tem 200 km de comprimento e 2.850 km² de área quando cheio, ou seja, 0,341 km² por MW instalado. Contando com mais de 1.600 ilhas.

O reservatório tem volume total de 45,5 km³ (para cota de 72 m) e volume útil de 32,0 km³. A usina está ligada à rede nacional pela linha de transmissão entre Presidente Dutra (Maranhão) e a Usina Hidrelétrica de Sobradinho, via Boa Esperança (Piauí).

A Usina Hidrelétrica de Tucuruí - UHE Tucuruí é a principal usina integrante do Subsistema Norte do Sistema Interligado Nacional (SIN), sendo responsável pelo abastecimento de grande parte das redes: da Celpa (no Pará), da Cemar (no Maranhão) e da Celtins (no Tocantins).

Em períodos de cheia no Rio Tocantins, a Usina de Tucuruí também complementa a demanda do restante do país através do SIN.

Para abrigar os operários e famílias foram criadas pela Eletronorte as vilas residenciais Permanente, Pioneira, Temporária I e Temporária II.

As Vilas Temporárias I e II eram construídas em madeira e incluíam, além das residências, um centro comercial com um cinema, uma escola Infantil, um hospital e um clube social.

Construída anos mais tarde, em alvenaria, a Vila Permanente dispunha também de um aeroporto, um porto fluvial e um grande hospital para atendimento da população local, além dos funcionários da construção. Hoje funciona o Hospital Regional de Tucuruí entregue ao Governo do Pará. Essas vilas eram condomínios fechados no meio da selva amazônica, com água e esgoto tratados, ruas pavimentadas, supermercados, e escolas desde creche até o nível técnico.

A partir de 1984, finalizada a primeira etapa da construção da hidrelétrica as vilas temporárias foram gradualmente desativadas, e a residências da Vila Pioneira foram doadas aos moradores de Tucuruí.

Custos 

O custo da Fase I da barragem foi US$ 7,5 bilhões (dólar de 1986), incluindo US$ 2 bilhões (23%) de juros do financiamento. As linhas de transmissão e sub-estações custaram outros US$ 1,3 bilhões. Os custos de manutenção e operação médios (1995 a 1998) foram US$ 13,8 milhões por ano (em dólar de 1998). A produção entre 1995-99 foi em média 22,4 TWh por ano, a um custo unitário médio entre US$ 34 e US$ 58 por MWh, dependendo do modelo contábil usado. Em comparação, a tarifa média nacional nesse período era US$ 70 por MWh. 

Entretanto, os benefícios econômicos regionais e nacionais esperados da usina nesse período foram perdidos por conta de tarifas muito reduzidas (US$ 24/MWh em 1998) oferecidas às grandes indústrias, especialmente de alumínio (japonesas, canadenses e norte-americanas), por compromisso assumidos no início do projeto. 

Outro agravante foi a decisão do governo de usar cimento nacional a um preço elevado, para beneficiar os produtores nacionais, em vez de importar cimento mais barato da Colômbia.

Em 1998 a Fase 2 estava prevista para custar US$ 1,35 bilhões e a finalização das eclusas US$ 340 milhões, e um custo de US$ 20/MWh.

Impactos

A inundação de vários povoados pelo lago da hidrelétrica obrigou a Eletronorte a construir dois povoados com infraestrutura urbana: Novo Repartimento na porção sudoeste e Breu Branco a leste, emancipados posteriormente do Município de Tucuruí em 31 de dezembro de 1992. Deve-se ressaltar que diversas cidades e povoados deslocados pela Eletrobras Eletronorte (Jacundá, Jatobal e outras) já eram frequentemente inundados pelas enchentes sazonais do rio Tocantins, a qual atingiu a vazão medida de 68.400 m3/s, considerada nos estudos de Hidrologia como a vazão de período de retorno de 100 anos.

Impacto ambiental e social

Tucuruí foi construída entre 1974 e 1985, durante a ditadura militar, numa época em que havia relativamente pouca preocupação com questões ambientais e desprezo geral por direitos civis. O projeto inicial previa desmatamento da região a ser alagada, mas no fim apenas 140 km² dos 2.850 km² foram limpos, com perda de 2,5 milhões de m³ de madeira potencialmente comercializável.

Estima-se que houve alguma perda de biodiversidade, especialmente de espécies de peixes adaptados às corredeiras ou que migravam ao longo do rio. (Em Tucuruí não foi construída nenhuma escada para peixes, precaução hoje considerada essencial para barragens nesse ambiente.) A pesca a jusante diminui de 1000 para 500 toneladas por ano; porem, na região do reservatório ela aumentou de 300 para mais de 3000 toneladas por ano, entre 1981 e 1998.

Enquanto boa parte da população a montante, incluindo grandes proprietários do vale de Caraipé e as tribos indígenas Parakanã, foi em parte indenizada e contemplada com investimentos em infraestrutura, a tribo Gavião da Montanha e toda a população a jusante, incluindo os índios Assurini, não recebeu indenização alguma.

No município de Tucuruí, 16,7% das famílias não possuem energia, de acordo com dados do Censo 2010. Nas cidades de Breu Branco e Novo Repartimento, que ficam na região da usina, 10% da população está no escuro. Mesma porcentagem da média nacional. A situação de Tucuruí não é tão ruim, mas ainda há famílias isoladas nas ilhas ao lado usina, onde é muito difícil levar energia, vivendo a luz de lamparina.

Comemoração 

Uma vasta programação será realizada a partir desta segunda-feira (24), o Superintendente da Usina Hidrelétrica de Tucuruí engenheiro Antônio Pardauil, recepcionará a diretora da Eletrobras e Eletronorte, que realizarão visitas a Usina, em comemoração aos 30 anos da entrada em geração ocorrida no último dia 22 de novembro.

Na programação, serão realizadas visitas de acompanhamento as atividades na Usina de Tucuruí e a entrega das Premiações conquistadas pela Eletrobras Eletronorte pela Excelência em Gestão, na Usina Hidrelétrica de Tucuruí, dentro da programação, será feita uma ao monumento que está sendo construído em comemoração aos 30 anos da entrada em funcionamento da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, na oportunidade, será entregue a população da cidade de Tucuruí, o tradicional sistema de iluminação Natalino, da Vila Permanente, uma decoração alusiva ao Natal, considerada uma das mais belas da região.

O Diretor-Presidente Tito Cardoso de Oliveira Neto, destacou as ações socioambientais realizadas pela empresa nas comunidades do entorno da hidrelétrica de Tucuruí, no rio Tocantins, como o Plano de Inserção Regional e o Plano Popular de Desenvolvimento Sustentável da Região à Jusante da UHE Tucuruí. “Por meio desses programas, a Eletronorte está investindo, em 20 anos, R$ 360 milhões em projetos de saúde pública, educação, meio ambiente, desenvolvimento urbano e agricultura familiar”, esclareceu Araújo.

Acompanharam as comemorações alusivas aos 30 anos da UHE Tucuruí, o Diretor de Gestão Corporativa Ricardo Gonçalves Rios; Diretor de Operação Wady Charone Junior e o Diretor de Planejamento e Engenharia Adhemar Palocci.


Tucuruí sedia a maior usina hidroelétrica totalmente brasileira, com capacidade instalada de 8.370 MW, no último dia 22 de novembro comemorou 30 anos de geração de pura energia, garantindo desenvolvimento para os municípios do seu entorno e levando avanços para o Pará e o Brasil. 

sábado, 22 de novembro de 2014

II Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão: "Numbuntu em Consciência Negra Afirmando Políticas de Igualdade Racial"




Participe do II Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão: "Numbuntu em Consciência Negra Afirmando Políticas de Igualdade Racial", que se estende com vasta programação neste sábado, 22 de Novembro: 

Palestra: Por dentro da Lei nº 10.639/03
Palestrante: Oberdan Medeiros
Hora: 8:00 h
Local: IFPA - Vila Permanente

Palestra; O protagonismo de Maria Felipa Aranha
Palestrante: Oswaldo Araújo
Hora: 9:00 h
Local: IFPA - Vila Permanente

Palestra: Histórias Cruzadas - Debate
Responsável: Turma de Saneamento Ambiental - T 301 - 5 TB
Hora: 10:15 h
Local: IFPA - Vila Permanente

Palestra: Ações Educativas do NUBUTU
Palestrante: Professor Dr. Ivan Lima
Hora: 14:00 h
Local: IFPA - Vila Permanente

Palestra: Racismo e Sociedade
Palestrante: Turma de Saneamento Ambiental - T 301 - 5 TB
Hora: 15:30 h
Local: IFPA - Vila Permanente

As 16:30 h Lançamento de Livros
Local: IFPA - Vila Permanente
As 16:30 h Apresentações Culturais no Encerramento da Programação

Inscrições gratuitas, abertas ao público e estudantes!!!
Local: IFPA - Vila Permanente

Organizadores:
Oberdan Medeiros
Ana Flávia Paiva
Maria Sarmento

Tucuruí: Incêndio destruiu duas residências no cais da cidade


video








WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto/Filmagem: Wellington Hugles

Por volta das 21 h desta sexta-feira (21), um incidente com a explosão de um botijão de gás, que ocorreu em uma residência na Rua Getúlio Vargas (cais da cidade de Tucuruí), no bairro da Matinha, onde também funcionava o bar dos Amigos, ocasionou um incêndio de grandes proporções, que rapidamente tomou conta do bar e as duas residências, que eram conjugadas, as labaredas ainda chegaram a atingir as casas do lado, mas por sorte, que não chegaram a ser destruídas.

Os moradores próximos às duas residências localizadas na Rua Getúlio Vargas, no bairro da Matinha, em Tucuruí, sudeste do Pará, passaram por momentos de pânico, após a explosão de um botijão de gás, dentro da casa, onde também funcionava o bar dos Amigos, foram momentos de desesperos para os vizinhos, em função a rapidez que as chamas tomaram conta das duas residências.

Infelizmente, em função da rapidez do incêndio, nada pode ser retirado de dentro das casas, inclusive, o prejuízo foi total, com a perda dos móveis, eletrodoméstico e uma motocicleta, além de toda a mercadoria do bar, e uma grade quantidade de bebidas que foi abastecida durante à tarde para ser comercializada no final de semana.

Os moradores das duas residências ficaram apenas com a roupa do corpo, outras casas próximas ao incêndio foram atingidas, mas não tiveram perda total, seus moradores conseguiram a tempo, retirar os seus móveis.

As duas famílias ficaram completamente abaladas, pela perda de seus patrimônios, a Polícia Militar esteve no local orientado os populares para o risco eminente existente no local, a CTTUC fechou as vias de acesso, evitando o tráfego de veículos.

O Corpo de Bombeiros Militar do Grupamento de Tucuruí foi acionado, mas após um longo tempo de demora, ao chegar ao local do incêndio, teve problemas com o seu caminhão pipa, no momento em que iriam iniciar o combate ao fogo, a água do tanque não estava saindo nas mangueiras, sendo acionada outra viaturas para realizar o combate ao incêndio, e ao chegar ao local, nada mais foi possível ser feito a não ser o resfriamento do local do incêndio.

A equipe de manutenção da empresa terceirizada, prestadora de serviços à Rede Celpa, foi acionada, mas demorou muito tempo, para chegar ao local e realizar o desligamento da rede elétrica, colocando em riso a população que lotava o local, tentando ajudar apagando o fogo, foram momentos de diversos curtos circuitos, com a fiação elétrica exposta no chão.


É fato que só nos últimos dias, houve dois incêndios que destruíram três residências, no início da semana uma casa foi tomada pelo fogo, no bairro do Mangal, e nesta sexta-feira mais duas foram totalmente destituídas, pela força do fogo no bairro da Matinha, deixando as famílias desabrigadas.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Breu Branco: PM deslancha operação “Caça aos Fariseus” e coloca atrás das grades um homicida


Homicida Maciel dos Santos Silva

WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

A Polícia Militar do Pará, através da IV Companhia de Policiamento Regional – CPR IV, que tem como comandante o Coronel Barata, através da equipe do Serviço de Inteligência, comandado pelo Major Marcus Vinicius, que após dias de trabalho investigativo, conseguiram colocar as mãos no elemento, suspeito de ter tirado a vida de um adolescente de prenome Fernando, fato ocorrido no início do mês de novembro, em uma Praça Pública, as margens da Lagoa da Cosanpa, na cidade Breu Branco, sudeste do Pará.

A ação veio atender ao clamor da sociedade breuense, que ficou comovida pela morte do adolescente, que foi executado de forma cruel, sem pelo menos poder esboçar sua defesa, e iniciou uma campanha exigindo das autoridades a captura do homicida.

A resposta da PM foi imediata através do comando do CPR IV e coordenada pela equipe de Inteligência, que intensificou ações que culminaram com a prisão do meliante.  

A equipe de policias militares do Serviço de Inteligência do CPR IV, comandado pelo Major PM Marcus Vinicius, há dias estavam no encalço do elemento, identificado como Maciel dos Santos Silva, por volta das 9:30 h desta sexta-feira (21), a “casa caiu” para Maciel, que foi capturado pela equipe, com o apoio da PM de Breu Branco, e de seu comandante Capitão Nolasco.

O elemento ainda tentou se rebarbar contra os policiais, mas foi contido e levado a Delegacia de Breu Branco, sendo apresentada a autoridade policial, que imediatamente tombou inquérito pelo crime de homicídio contra o adolescente de prenome Fernando, fato que movimentou a cidade. De posse de Maciel dos Santos Silva, foi encontrada uma arma caseira conhecida como “garrucha” e 16 cartuchos de grosso calibre.

O delegado de Breu Branco solicitou a Justiça à transferência do nacional Maciel dos Santos Silva, para o Centro de Reclusão Regional de Tucuruí, onde ficará aguardando seu julgamento.

Operação "Caça aos Fariseus"

Blitz’s – Ainda dentro da operação “Caça aos Fariseus”, a equipe de Inteligência do CPR IV, comandada pelo Major Marcus Vinicius, e com o apoio do contingente da PM de Breu Branco através do Capitão Nolasco, esta realizada diuturnamente barreiras entre os municípios de Tucuruí, Breu Branco e Goianésia do Pará, intensificando a fiscalização de ônibus de linhas intermunicipais e vans, para coibir a ação dos meliantes, que neste período de final de ano, intensificam as ações criminosas com ações delituosas de assaltos a ônibus e carros de passeio.


A Polícia Militar solicita o apoio e a compreensão dos passageiros e motoristas que estejam em viagem neste período, que atendam aos militares nesta operação, no sentido de evitar que haja a proliferação de assaltos nas estradas aos veículos de transporte coletivo.

Novos equipamentos para o Hospital Regional de Tucuruí

 A diretora e enfermeira Elizabeth Fontenele comemora as conquistas para o HRT





 

WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

A diretora do Hospital Regional de Tucuruí (HRT), a Enfermeira Elizabeth Fontenele, comemora mais uma conquista em sua administração, com a chegada de novos equipamentos, necessários para a continuidade do atendimento de média e alta complexidade na unidade regional de atendimento a população.

Entre os equipamentos, está a nova mesa para cirurgias ortopédicas, que em função ao tempo de uso da antiga, estava inviabilizando as cirurgias no hospital, sendo necessária a transferência dos pacientes através de TFD, para realizarem as intervenções cirúrgicas na capital, mas graças à ação incansável da diretora Elizabeth Fontenelle, que em função a sua insistência junto a SESPA, consegui viabilizar a aquisição destes equipamentos, que vem atender a grande demanda de cirurgias dos pacientes internados no HRT.

Com a instalação dos novos equipamentos, os profissionais da área da saúde, terão condições de fazerem as intervenções cirúrgicas com maior comodidade e segurança, e quem ganha são os pacientes que não precisam mais sair do seio dos familiares, para a capital.

A SESPA também enviou ao HRT, um novo aparelho de Raio-X, que será instalado na Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia – UNACON de Tucuruí, que segundo a diretora do HRT Elizabeth Fontenele, está em fase de finalização de sua estruturação para a entrada em funcionamento no menor tempo possível, sendo que sua inauguração é de reponsabilidade exclusiva da Secretaria de Estado de Saúde do Pará (SESPA).

A diretora Elizabeth Fontenele, agradeceu a todos os funcionários efetivos, contratados e prestadores de serviços, pelo apoio e a confiança deposita em sua pessoa, no momento que assumiu o HRT, e diariamente ao longo destes quase 12 meses de gestão, vem desempenhando ações para a garantia do atendimento dos pacientes que procuram o HRT em busca de solucionar, suas enfermidades.

Elizabeth Fontenele, esclareceu que, sua nomeação na direção do HRT ocorreu, em um momento crítico, que não agradou a todos, mas passado este período, graças ao empenho no trabalho desenvolvido conjuntamente, compreendeu-se, que sua intenção foi pela garantia da transparência do serviço público e a prestação do atendimento a população que necessita do direito constitucional, que e a atenção a saúde pelo governo, mesmo com todas as diferenças, Elizabeth concluiu que, as diferenças foram superadas e que atualmente, todos estão coesos em busca de soluções para dar o melhor atendimento aos pacientes que precisam de assistência a saúde em nossa cidade, região e no estado.

Sua gestão garantiu também, uma parceria com a classe dos funcionários, estudando, analisado e viabilizando as conquistas da classe, com referência as demandas salariais, tentando garantir e encaminhar à direção da SESPA a resolução de todas as pendências trabalhistas.

Por outro lado, a diretora Elizabeth Fontenele aproveitou a oportunidade para esclarecer que, o atendimento a saúde pública, necessita de muita paciência e vontade de trabalhar, haja vista, as dificuldades que são encontradas com os repasses de verbas e a aquisição de material necessário para a manutenção do hospital, mas que o empenho e dedicação sempre consolidaram a resolução das carências, como exemplo, a garantia da aquisição dos equipamentos necessários para o funcionamento com maior eficácia de alguns setores do HRT que atravessavam dificuldades, “muitos outros equipamentos e materiais hospitalares estão ainda por chegarem, para atender com qualidade e responsabilidade aos pacientes de Tucuruí e região”, afirmou a diretora.

A diretoria esclareceu ainda, que por ser um Hospital público e que funcionam com seu Pronto Socorro de portas abertas, as dificuldades que por ventura são encontrados no momento de internações, e posteriormente identificados os problemas, com a necessidade de intervenções cirúrgicas, há realmente a necessidade de aguardar certo tempo, em função, a grande demanda existente de pacientes internados, além de uma imensa fila de espera que já existia desde o ano de 2008, das cirurgias eletivas, que mesmo, sendo de responsabilidade da rede básica de saúde, estão sendo realizadas gradativamente no HRT, dando provimento ao atendimento dos pacientes que encontram-se com estas enfermidades.

Em função de o HRT ser uma unidade hospitalar que funciona de portas abertas, absorve a demanda de pacientes de todo o estado, com isso, priorizando os casos emergências, de pacientes que corem risco de morte, e, em muitas vezes, deixando de atender prioritariamente a sua função de unidade de média e alta complexidade, em razão de que a vida de um paciente e a principal meta desta direção e de todos os profissionais da área da saúde e funcionários do HRT.

Maternidade – A Enfermeira Elizabeth Fontenele, esclareceu que dentro do HRT tem duas situações diferenciadas quando se trata de maternidade. Existe a Maternidade do HRT, que atende aos casos de mães parturientes, que atravessam um parto que necessita de um atendimento de média e alta complexidade, e que esta funcionando normalmente, com material completo e de reserva.

Dentro de uma ação, entre a direção da SESPA e a Secretaria de Saúde de Tucuruí, foi cedido uma das alas do Hospital Regional de Tucuruí, desde o ano de 2010, para funcionar a Maternidade Municipal de Tucuruí que passaria por uma reforma.

Naquela ala cedida a prefeitura, está ocorrendo o atendimento as partos das mães parturientes encaminhadas pela rede básica de saúde de Tucuruí, que tem sua administração própria, e a direção do HRT não tem nenhuma intervenção ou gestão.

Normalmente, ocorrem alguns problemas que são noticiados dentro da Maternidade Municipal que se encontra em uma ala do HRT, mas que não tomamos conhecimento por ser administrada e gerida pela Prefeitura de Tucuruí, mas sempre recai sobre a direção do Hospital Regional de Tucuruí a responsabilidade pelas situações, de reclamações das parturientes e seus familiares, dos problemas que por ventura estão ocorrendo dentro da Maternidade Municipal, comandada pela Prefeitura de Tucuruí.

Sendo que ficamos reservados apenas a gerir, e responder pela Maternidade do HRT, que atende os casos de média e alta complexidade, nos partos que não podem ser realizados de forma natural, inclusive, estamos atendendo as mães parturientes de Tucuruí e região, concluiu Elizabeth Fontenele.