Pesquise as matérias do JT:

sexta-feira, 27 de março de 2015

Níver de Ruth Alencar



Hoje é o dia da belíssima Ruth Alencar, felicitações pelo transcurso de seu aniversário, seja sempre esta pessoa de um caráter inconfundível e de um coração generoso, atualmente morando em Marabá, onde profissionalmente exerce a função de enfermeira.
Parabéns e muitos anos de vida, e que Deus te proteja e te guarde todos os dias de sua vida.
Um forte abraço carinhoso dos seus familiares, amigos e admiradores.

Um beijão de seu amigo Wellington Hugles.

Jornalismo sério, comprometido com a verdade, liderança em Tucuruí e região, 60 mil visualizações em um dia, rumo aos 3 milhões de visitantes!!!!!


quinta-feira, 26 de março de 2015

Mulher encontrada degolada as margens do Igarapé Santos próximo a ponte do bairro Paravoa




WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

Os moradores do bairro Paravoa, em Tucuruí, sudeste do estado, se depararam por volta das 11 h com o corpo Ana Claudia Bernardes dos Santos, 38 anos, natural do Rio de Janeiro, jogado próximo ao Igarapé Santos no bairro do Paravoa.

A correria foi grande em função a cena inusitada, rapidamente foi acionada a PM que isolou o local, e após a chegada da Polícia Civil, tanto os peritos do Instituto de Criminalística “Renato Chaves” como a equipe de remoção do IML de Tucuruí foi acionados.

O corpo da mulher foi encaminhado para necropsia, sendo identificada pelos familiares e liberado para os funerais.

O laudo da necropsia identificou três perfurações de arma branca.



MPE denúncia Sancler Ferreira por apropriação indébita de R$ 2 milhões dos salários dos servidores municipais

Prefeito Sancler Ferreira teve seus bens bloqueados pela Justiça Federal, e agora foi denunciado pelo Ministério Público Estadual pelo crime de improbidade administrativa pela apropriação indébita de R$ 2 milhões dos salários dos servidores







Mega esquema montado pelo prefeito Sancler Ferreira com seus "asseclas" para garantir a vitória de sua chapa na Asert, para montar o "esquema" fraudulento de desvio dos valores dos salários dos servidores municipais
 A diretória da Asert suspendeu os convênios em função ao calote de Sancler Ferreira
A comissão que realizou a denuncia junto ao MPE em Tucuruí


WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

O Ministério Público Estadual através da Promotoria de Justiça de Tucuruí denunciou o Prefeito de Tucuruí Sancler Antônio Wanderley Ferreira (PPS) e a sua Secretária Municipal de Finanças, por terem se apropriado indevidamente dos valores retidos dos servidores públicos da prefeitura de Tucuruí, no montante de R$ 2 milhões (Dois Milhões), os quais deveriam ser repassados integralmente em favor da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, para serem pagos as empresas fornecedoras de matérias de consumo e serviços.

Em função a esta apropriação criminosa do dinheiro dos servidores municipais, a diretoria da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT aliada política de Sancler Ferreira, encontra-se inadimplente com o comércio e os respectivos prestadores de serviços médicos.
            
Com o sumiço misterioso do valor de R$ 2 milhões (Dois Milhões), que causou a inadimplência da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, os mais de 2 mil servidores públicos associados, passam por danos morais irreversíveis em função à perda de crédito dos perante o comércio local.  

Culminando ainda, com a inadimplência da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí, que absorvem os mais de 2 mil servidores associados junto as clínicas, hospitais e laboratórios, ocasionado com o desvio dos recursos descontados dos associados, um calote milionário de Sancler Ferreira e a sua Secretária de Finanças, colocando em risco o atendimento médico dos associados, em função a suspensão do atendimento aos servidores junto as clínicas, hospitais e laboratórios, que pela falência do atendimento público de saúde oferecido pela Prefeitura de Tucuruí, são abrigados a pagar novamente pelos serviços, mesmo com suas mensalidades em dias junto a ASERT.

Através de levantamento realizado pela direção da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, o calote no comércio local, já ultrapassa o valor de R$ 1.807.848,13 (Um milhão, oitocentos e sete mil, oitocentos e quarenta e oito mil e treze centavos).

Segundo os diretores da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, a apropriação realizada pelo prefeito Sancler Ferreira dos valores descontados dos salários dos servidores, e que deveriam ser repassados a Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, já ultrapassam a quantia de R$ 2.268.254,32 (Dois milhões, duzentos e sessenta e oito mil, duzentos e cinquenta e quatro reais e trinta e dois centavos).

Apenas para uma empresa de grande porte da cidade, o Supermercado Carajás, o calote orquestrado por Sancler Ferreira e de mais de R$ 590.000,00 (Quinhentos e noventa mil).
                  
Segundo os comerciantes da cidade, além do desaquecimento econômico que vem ocorrendo nos últimos 5 anos, após Sancler Ferreira ter tomado posse do governo municipal, ele vem desenvolvendo um programa de sucateamento da economia local, com o empobrecimento na cidade, fora isso, ainda  tem que conviver com o “calote” do poder executivo, que sem crédito no comércio local, viabilizou através da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, uma linha de crédito aos servidores, mesmo descontando mensalmente os valores devidos pelos servidores nos seus contracheques, não realizando o repasse a direção da ASERT para poder pagar os fornecedores.

Uma prática criminosa, que deve ser coibida urgentemente, pois em função a esta ação de calote, muitos comerciantes tiveram que fechar suas portas e demitir funcionários, haja vista, os valores que são utilizados para gerar novas compras pelas empresas ficam indisponíveis na mão do prefeito.

A situação criminosa comandada pelo prefeito Sancler Ferreira (PPS), já vem ocorrendo desde o ano de 2009, quando Sancler Ferreira ao tomar posse da Prefeitura de Tucuruí montou um “esquema” para se apropriar indevidamente dos descontos dos servidores, que já recebem um salário comprometido para cobrir suas despesas, e agora ficam sem o benefício do convênio com a Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT e sem crédito no comércio local.
         
O Ministério Público Estadual através da Promotoria de Justiça de Tucuruí foi acionado para intermediar o imbróglio, e por diversas oportunidades convidou o Prefeito Municipal Sancler Ferreira para discutir uma solução amigável para equacionar o problema, infelizmente, por mais de uma ocasião o prefeito simplesmente ignorou o convite dos Promotores, desrespeitando o Ministério Público do Estado, nada mais restando a não ser atender as denúncias e peticionar judicialmente Ação Civil Pública por Improbidade Administrativa.
        
Dentre as denúncias recebidas pela Promotoria, existem suspeitas de que os membros da própria diretoria da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT estão “mancomunados” com o prefeito Sancler Ferreira, com a única intenção de lesar os interesses dos associados, visando apenas benefícios pessoais, através de indicações em cargos públicos comissionados e comissões financeiras.

Com o recebimento da Ação pela Justiça, serão realizadas maiores investigações através do Ministério Público, para que os envolvidos possam ser responsabilizados por suas condutas tanto na área cível, criminal e administrativa, podendo as consequências ser instituídas desde a demissão/exoneração dos seus cargos públicos, até a prisão dos envolvidos, haja vista, ser vedada a direção da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT patrocinar os interesses do prefeito Sancler Ferreira em detrimento aos dos seus associados.
          
Dentro das investigações preliminares, foi constatado que o prefeito Sancler Ferreira e seus “asseclas” se envolveram diretamente nas eleições para a direção da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí – ASERT, colocando sua secretária de administração e seus familiares que assume  os cargos de secretários de governo, para cooptar e ameaçar os servidores, que não votassem na chapa apoiada por Sancler Ferreira sofreriam sanções e perseguições, tudo para que fosse montado o “esquema” fraudulento de apropriação indébita dos recursos descontados dos servidores, sendo comprovadamente evidente que o desviou dos recursos foi realizado pelo prefeito Sancler Ferreira, contudo, para sustentar o “esquema” de desvio de dinheiro ou qualquer outra fraude, que sejam executadas nos vencimento dos servidores, não conseguirá fazer sozinho, com isso, existindo fortes indícios da participação das Secretárias de Finanças e Administração, no “orquestramento” dos descontos no momento da geração da folha de pagamento, e o competente desviou para uma conta bancária especifica, que pudesse ser manuseada pelos comandantes da fraude.
              
Ação de Improbidade Administrativa com Pedido de Liminar - Na Ação Civil Pública de Improbidade Administrava com Pedido de Concessão de Medidas Liminares, os Promotores de Justiça da Promotoria de Tucuruí: Adriana Passos Ferreira (1ª Promotoria), Amanda Luciana Sales Lobato (2ª Promotoria) e Francisco Charles Pacheco Teixeira (Promotor de Breu Branco e respondendo pela 3ª Promotoria de Tucuruí), requer a Justiça o afastamento imediato do cargo do prefeito Sancler Ferreira e da Secretária de Finanças, para que possa ocorrer a averiguação minuciosa, sem o comprometimento da ação, inclusive, que seja investigada a evolução patrimonial do prefeito e da secretária, haja vista, estar incompatível seus patrimônios atuais, com seus vencimentos e suas rendas familiares sendo checadas suas declarações de imposto de renda.
      
Réu Confesso - O próprio Prefeito Sancler Ferreira (PPS) assinou e encaminhou expediente da Prefeitura de Tucuruí ao Procurador da República (Ministério Público Federal), onde assume que desviou dinheiro dos servidores, admitindo que esta inadimplente junto a ASERT, confessando que cometeu crime de peculato, quando se apropriou de parte dos salários dos servidores da Prefeitura, é inacreditável, mas o Prefeito disse a um dos representantes do Ministério Público Federal que estava "inadimplente" com a Associação dos Servidores Municipais.
             
Reincidente – O atual prefeito Sancler Ferreira é reincidente desta prática delituosa, pois já foi condenado em uma ação no valor de R$ 231.437,49 (Duzentos e trinta e um mil, quatrocentos e trinta e sete reais e quarenta e nove centavos), movida pela ASERT na gestão do ex-presidente Professor Israel. É fato que até os dias atuais, Sancler não pagou a divida, que ainda será acrescida de correção monetária, juros de mora e outras multas previstas em Lei.   
   
Câmara de Vereadores - O Ministério Público Estadual também cita a omissão do Poder Legislativo Municipal, representado pelos vereadores, já que a Lei Orgânica do Município, no seu Artigo 79, § 1º, XI que os atos de desvio/apropriação de dinheiro por parte do Prefeito, implicam em crimes de responsabilidade, cuja apuração e aplicação das respectivas sanções político/administrativas cabem ao Poder legislativo Municipal, e no caso de omissão, os vereadores também podem sofrer sanções, nos termos da Lei Nº 8.429/92.

O Ministério Público oficiará à Câmara Municipal para que as devidas providências sejam tomadas, sob a pena, da continuidade da omissão por parte dos Vereadores, os mesmos também serão responsabilizados judicialmente.
               
Ressalta ainda os representantes do MPE, que o Prefeito Sancler Ferreira usou o termo inadimplência, quando confessou o desvio ao Procurador da República (MPF), mas na verdade a tal “inadimplência” na verdade significa Peculato, desvio e apropriação indébita.

Inadimplência é quando o devedor não consegue ou não pode pagar uma dívida, no caso em questão não é inadimplência, pois o dinheiro foi descontado diretamente dos salários dos servidores, e a única coisa que o Prefeito Sancler Ferreira e sua Secretária de Finanças deveria fazer, era repassar estes recursos para a diretoria da ASERT.
         
Alerta o MPE, que mesmo que Sancler Ferreira repasse integralmente, com juros e correção monetária, os valores indevidamente apropriados, a devolução em nada prejudica esta ação judicial, haja vista, os atos criminosos e ímprobos praticados pelo prefeito em conluio com a Secretária Municipal de Finanças e Administração serão apurados e sentenciados.

Do Pedido: O MPE requer na ação o afastamento do prefeito Sancler Ferreira e sua Secretária de Finanças dos seus cargos e funções, pois as suas permanências nos cargos, enseja a continuidade da prática de fraudes e desvios para saldar a dívida para com a ASERT e para que apropriações indevidas continuem a ser praticadas.
            
O MPE requer o bloqueio dos bens do Prefeito e da Secretária de Finanças da PMT, e solicita a quebra de sigilo bancário dos mesmos nos últimos 5 anos, incluindo movimentação financeira com cartões de crédito.
            
O MPE requer que seja oficiado à Polícia Federal - Serviço de Imigração, para que informe os destinos e quantidade de viagens para o exterior dos réus nos últimos cinco anos.
      
O MPE requer a condenação do Prefeito e da Secretária ao pagamento de R$ 1 milhão por dano moral coletivo com relação aos 2 mil associados da ASERT.
           
O MPE requer o afastamento cautelar imediato de toda a Direção da ASERT até o fim da instrução, tendo em vista os sérios indícios (demonstrados de forma documental) que a direção da ASERT vem patrocinando interesses pessoais do Prefeito ao invés de defender os interesses dos associados.
          
O MPE requer uma auditoria nos convênios da ASERT com seus fornecedores, para se chegar ao valor exato do que foi apropriada ilegalmente pelo prefeito e a secretária, a auditoria deverá ser feita por empresa técnica, que será paga pelo Prefeito e a Secretária de Finanças.

             

quarta-feira, 25 de março de 2015

Tucuruí: Frentista morre após queda de prédio

 Ademir Almeida de Jesus morre prematuramente aos 37 anos





WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

No início da noite desta quarta-feira (25), o trabalhador Ademir Almeida de Jesus, 37 anos, foi encontrado sem vida, pelos seus vizinhos na área lateral do prédio onde morava, em um kit net no andar superior, no bairro São Francisco, em Tucuruí, sudeste do estado.

Segundo seus vizinhos que moram em kit net’s no mesmo prédio, de três pavimentos, Ademir Almeida de Jesus, era uma pessoa trabalhadora, e atuava há bastante tempo como frentista no Posto Popular, em Tucuruí, inclusive, demostra ser uma pessoa tranquila, centrada e sem nenhum problema pessoal.

Sua morte causou bastante comoção aos seus vizinhos, que não conseguem entender quais os motivos que levaram a sua possível queda do prédio, que culminou com sua morte instantânea.

A PM foi acionada imediatamente e resguardou o local onde ocorreu a morte do frentista, sendo comunicada a Polícia Civil que requisitou as equipes de Perícia de Local de Crime do Instituto “Renato Chaves” e de remoção do IML de Tucuruí.

As investigações foram iniciadas e todos os moradores do prédio deverão ser ouvidos pela autoridade policial da Seccional de Tucuruí, para tentar elucidar a morte de Ademir Almeida de Jesus.

Seus amigos de trabalho ficaram bastante comovidos com a morte do frentista, e esclarecerem que Ademir Almeida de Jesus sempre foi uma pessoa alegre e contagiante, e que marava a bastante tempo sozinho no kit net no bairro São Francisco, e não conseguem entender os motivos que levaram a sua morte prematura.


A Polícia Civil trabalha com a hipótese de uma morte acidental, após a queda do prédio, mas não descarta a possibilidade de ter ocorrido um homicídio ou até mesmo um assassinato.

Segundo o relatório de necropsia do IML de Tucuruí,  Ademir Almeida de Jesus morreu em função ao trauma abdominal fechado e trauma no crânio, sofrido com a queda do prédio.

Sancler Ferreira já há 6 anos "amealhando" e "sangrando" os cofres da Prefeitura de Tucuruí, e até hoje não acertou o caminho do MP para protocolar suas denuncias feitas em 2007!!!!

video

O tempo passa, o tempo voa, mas o povo não se esquece das denuncias mentirosas de Sancler Ferreira, que denunciou em 2007 uma sangria nos cofres da Prefeitura de Tucuruí, mas esqueceu de que nos 6 anos de seu governo duas empresas fantasmas de seus asseclas, vem amealhando, digo amealhando mais de R$ 80 milhões de reais, sangrando e continuando a sangrar os cofres da Prefeitura de Tucuruí, pelo menos os seus responsáveis, já foram chamados pela Polícia Federal em Marabá, na segunda-feira (23) e nesta quarta-feira (25) prestaram depoimentos no Ministério Público Federal, desta vez, Sancler Ferreira deverá encontrar o caminho do Ministério Público, tanto Estadual como Federal, não para denunciar, mas para responder pelas arbitrariedades e a malversação do dinheiro público, acabando nas mãos da Polícia Federal.


Peça pra sair prefeito incompetente!!!!

TJE concede liminar que garante a liberação do ex-prefeito de Breu Branco Egon Kolling “Alemão”





WELLINGTON HUGLES
De Breu Branco
Foto: Wellington Hugles

Através de competente pedido de Habeas Corpus Liberatório com Pedido de Liminar, que foi proposto pelo advogado de defesa do ex-prefeito de Breu Branco Egon Kolling “Alemão”, o Tribunal de Justiça do Estado do Pará, através da Desembargadora Vânia Fortes Bitar, decidiu na manhã desta quarta-feira (25), conceder Habeas Corpus Liberatório com Pedido de Liminar, em favor do paciente transplantado Egon Kolling “Alemão”, que se encontra encarcerado cumprido a pena de 5 anos, em regime semiaberto.

Na decisão a desembargadora decidiu que Egon Kolling responda tanto a Ação de Improbidade Administrativa, denunciada pela contratação de servidores sem atender ao TAC assinado com o Ministério Público do Pará, que ocasionou sua prisão, assim como, outra Ação que tramita na Comarca de Breu Branco, pelo suposto desvio e a devolução do valor de R$ 2 milhões apropriados por “Alemão” dos cofres públicos do município, ambas em liberdade.


Sendo oficializada a direção da Casa Penal “Heleno Fragoso”, localizada no município de Santa Izabel do Pará, para realizar a liberação imediata do paciente Egon Koling “Alemão”.

terça-feira, 24 de março de 2015

“Coca” comemora mais uma risonha primavera com muita saúde e felicidade



Coca” comemora mais uma risonha primavera com muita saúde e felicidade

A aniversariante desta terça-feira (24), e a belíssima e deslumbrante “Coca”, pessoa de um grande círculo de amizades, vem recebendo os votos de felicitações pela especial data.

Dos seus familiares, amigos admiradores, correligionários, seguem os votos de muitos anos de vida, coroado de realizações e sucessos, e que Deus proteja com seu manto sagrado todos os seus dias de vida, para que sempre seja esta pessoa humilde, com um coração fraterno e de um amor inigualável.

Dos seus amores de sua vida, seus filhos Nielson e Niely Lemos segue os votos de muitos anos de vida, com muitas realizações e felicidades, e que seja sempre esta supermãe que sempre conseguiu nos dar nosso ensinamento com responsabilidade, formando nosso caráter e acima de tudo, nosso amor fraterno que transcende a todos que vivem em nosso meio.

Parabéns “Coca”, grande mãe, excelente mulher e grande liderança!!!!

Liminar: Ex-prefeito de Breu Branco "Alemão" poderá ser solto nas próximas horas







WELLINGTON HUGLES
De Breu Branco
Foto: Wellington Hugles


O ex-prefeito de Breu Branco Egon Kolling, conhecido popularmente como “Alemão”, recebeu a visita em sua chácara do oficial de justiça da Comarca de Breu Branco, em função ausência de “Alemão”, não foi encontrado. Egon Kolling decidiu se deslocar na segunda-feira (23) às 10 h até ao Fórum da cidade, onde foi em busca de esclarecimento da visita inesperada do oficial de justiça a sua casa, sendo surpreendido ao tomar conhecimento da existência de uma Sentença Condenatória de 5 anos e 2 meses de prisão em regime semiaberto, exaurida pelo magistrado José Jonas Lacerda de Sousa, Juiz de Direito Titular da Comarca de Breu Branco.

Sendo conduzido pelo oficial de justiça à Delegacia de Polícia da cidade, de onde seguiu para a Seccional de Tucuruí, em função a grande movimentação popular que aglomerou-se em frente a Depol em Breu Branco, revoltados pela prisão de “Alemão”.

Egon Kolling foi recambiado no final da tarde desta segunda-feira (23) para a custódia do Estado ao Centro de Recuperação Regional de Tucuruí.

Da acusação: O ex-prefeito Egon Kolling “Alemão”, foi preso em função ao descumprido de determinação judicial exaurida no ano de 2010, por não convocar classificados no Concurso Público 01/2006, realizado pelo gestor anterior.

MP - Na Ação Civil Pública o Ministério Público Estadual acusa “Alemão”, no exercício de seu mandato, ter contratado servidores sem prévia aprovação em processo seletivo, quando deveria convocar os classificados do Concurso Público, em obediência ao Termo de Ajuste de Conduta (TAC), assinado pelo então prefeito Egon Kolling e o MP, sendo homologado pelo Poder Judiciário.

Segundo a assessoria do ex-prefeito Egon Kolling, realmente houve a convocação dos aprovados no referido concurso 01/2006, conforme acordado no TAC pela Prefeitura De Breu Branco e o Ministério Público, entretanto, a assessoria jurídica da Prefeitura de Breu Branco, há época, foi mal sucedida ao não comunicar regularmente ao MP e o Juízo da Comarca o cumprimento da Ordem Judicial.

Mais pensando que sua assessoria jurídica era competente em resolver todas as formalidades legais, o prefeito “Alemão”, pecou por confiar na assessoria jurídica da Prefeitura, que no mínimo, agiu sem a atenção que a situação exigia.

Em face de sua condenação, seus advogados estão providenciando os recursos existentes no Direito Penal Brasileiro, sendo esperadas para as próximas horas medidas salutares que garantam sua absolvição ou redução da pena em primeira instância.

Sua defesa está sendo submetida ao Tribunal de Justiça do Estado, que deverá autorizar sua liberação imediata para voltar ao Breu Branco e responder ao processo em liberdade.


Dentro do entendimento da legalidade de seus advogados, o ex-prefeito “Alemão” foi condenado em primeira instância, por haver priorizado a contratação de trabalhadores para o andamento dos serviços essências ao Município, justamente em um momento em que a cidade começava a enfrentar dificuldades em função ao desaquecimento da extração madeireira, que absorvia uma grande gama da mão de obra dos munícipes.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Polícia cumpre mandado judicial e prende o ex-prefeito de Breu Branco Egon Kolling “Alemão”

Egon Kolling “Alemão”

WELLINGTON HUGLES
De Breu Branco
Foto: Wellington Hugles

Após uma exaustiva procura ao ex-prefeito de Breu Branco Egon Kolling, conhecido popularmente como “Alemão”, a Polícia Civil de Breu Branco cumpriu na manhã desta segunda-feira (23), o mandado judicial exaurido pelo juiz da Comarca de Breu Branco o magistrado José Jonas Lacerda de Sousa, que acatou a denúncia formulada pelo Ministério Público do Estado e decretou a prisão de Egon Kolling.

Muitos processos estão em andamento na comarca de improbidade administrativa, efetuados durante a gestão de “Alemão”, mas em função há época, Egon Kolling estava prefeito, gozava o fórum privilegiado, os processos estavam no Tribunal de Justiça do Estado, mas após seu retorno como cidadão comum, os processos retornaram para a comarca, e dentro os muitos processos o MP constatou que Egon Kolling (teria comprovadamente se apropriado indevidamente do valor de R$ 2 milhões nas vésperas de sua saída, dos cofres públicos do governo municipal. no Processo Nº: 0000543-64.2013.8.14.0104, em Primeira Instância na Comarca de Breu Branco, distribuído em 25/02/2013 para a Vara Única de Breu Branco, em função denúncia do Ministério Público na acusação de que o ex-prefeito Egon Kolling “Alemão”, descumpriu a determinação judicial exaurida no ano de 2010, por não convocar classificados no Concurso Público 01/2006, realizado pelo gestor anterior.

Para evitar que Egon Kolling evadisse da cidade, sem responder pelos seus atos, a justiça determinou sua prisão, que a priori, deverá ser cumprida em regime semiaberto pelo período de 5 anos e 2 meses.

“Alemão” foi preso após a visita do oficial de justiça a sua chácara, não o encontrando, o ex-prefeito "Alemão", foi até ao Fórum em busca de esclarecimentos da visita do oficial de justiça, sendo comunicada de imediato sua ordem de prisão e apresentado a autoridade policial na Delegacia de Breu Branco, sendo imediatamente transferido para a Seccional de Tucuruí, onde deverá aguardar uma vaga no sistema penitenciário do estado.

A equipe de jornalismo procurou os advogados do réu, que informou que estão recorrendo da decisão judicial. 

Por motivos técnicos a publicação anunciada "Jornal de Tucuruí divulga, hoje, pesquisa com avaliação do governo Sancler Ferreira", ficará para está terça-feira (24)!!!!


O jornal de Tucuruí divulga hoje, às 17 h, os resultados da 1ª Pesquisa JT/CONTACT, com a avaliação dos índices de popularidade do governo e pessoal do prefeito Sancler Ferreira.

O levantamento será disponibilizado no site da entidade: http://jornaldetucurui.blogspot.com.br

A 1ª Pesquisa JT/CONTACT aborda, também, a expectativa da população sobre emprego, renda, saúde, educação e segurança pública.

Os entrevistados foram questionados sobre as denúncias que culminou com a decisão da Justiça Federal pelo bloqueio de parte dos bens do prefeito, e a atual situação econômica e política de Tucuruí, custo de vida, atuação dos vereadores, entre outros assuntos.


Foram entrevistadas 610 pessoas, divididos em todos os bairros da cidade, entre os dias 19 e 22 de março de 2015.   

Ponte do Moju: População protesta após 1 ano de espera de conclusão








População paraense protesta contra demora em obras de ponte

Moradores do município de Moju e diversas cidades paraenses se reúnem para realizar grande protesto pelo aniversário de um ano da queda de ponte sobre o rio Moju.

A população de regiões como Sul e Sudeste do Estado é afetada pela falta de estrutura nos transportes. O incidente também deixou comércio de municípios em crise.

Wellington Hugles em visita a Sede da RBA Marabá com Michel Garcia


quarta-feira, 18 de março de 2015

Mesmo com a revogação do feriado municipal, uma homenagem ao atuante ex-prefeito de Tucuruí e Deputado Estadual Raimundo Ribeiro de Souza “Diquinho”, uma história de vitórias *24/12/1931 +18/03/1977





Sua Trajetória - Raimundo Ribeiro de Souza nasceu em 24 de dezembro de 1931, na cidade de Dom Pedro, estado do Maranhão, filho de Eduardo Ribeiro de Souza e Mariana Souza, ainda criança veio com seus pais para a cidade de Marabá, onde concluiu seu curso primário trabalhando como tipógrafo.

Em Marabá formou sua primeira família do matrimonio nasceram seus primogênitos filhos: Ademir Souza, Raimundo Laerte Souza e Dilma Souza.

No meado do ano de 1950, com apenas 19 anos, Raimundo Ribeiro de Souza, chegou a Tucuruí, onde seu pai Eduardo prestava serviços como empreiteiro para a Estrada de Ferro Tocantins, fornecendo dormentes.

Ao chegar à cidade, Raimundo Ribeiro de Souza foi trabalhar como balconista na Cooperativa dos Funcionários da Estrada de Ferro Tocantins.

No ano de 1962, Raimundo Ribeiro de Souza casou-se pela segunda vez, com Maria de Nazaré Vieira sendo abençoado com o nascimento de cinco filhos: Hellem Souza, Eduardo Heldem Souza, Heber Jorge Souza, Hellene Souza e Heleide Souza.

A saga política de “Diquinho” - Raimundo Ribeiro de Souza, conhecido popularmente como “Diquinho”, deu início a sua história na política tucuruiense e do Pará no ano de 1956, com apenas 25 anos de idade foi eleito vereador pelo extinto P.S.P. (Partido Social Progressista), graças a sua excelente atuação no parlamento municipal, teve sua reeleição garantida como vereador no ano de 1960, através da união de ilustres personalidades que formaram a coligação denominada “Coligação Democrática Paraense”, vencedora das eleições de 1960.

No ano de 1961, “Diquinho” foi conduzido ao cargo de presidente da Câmara Municipal de Tucuruí, onde trabalhou incansavelmente na apresentação de projetos para o crescimento e o desenvolvimento da cidade. 

Em função da sua excelente atuação como presidente da casa de leis do município, seu passaporte foi carimbado para disputar a Prefeitura Municipal nas eleições de 1964.

Com apenas 33 anos de idade e com uma ascensão fantástica na política de Tucuruí, Raimundo Ribeiro de Souza foi eleito prefeito de Tucuruí tendo como colega de chapa o vice-prefeito Carlos Silva, a vitória foi registrada com a diferença apertada de apenas 22 votos do segundo colocado.

Na época sua posse só foi confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral – TRE, depois de passado o período das mudanças nacionais impostas com a revolução militar de 1964 e do esclarecimento de uma denúncia solicitando a impugnação de sua eleição e posse.

A denúncia – Raimundo Ribeiro de Souza sempre foi considerado um grande defensor dos pobres e oprimidos e um guerreiro nato na construção de sua carreira política, sempre superando as barreiras encontradas, uma delas foi à ocasião de sua diplomação como prefeito eleito de Tucuruí.

Os seus correligionários e familiares contam que na ocasião em que recebeu seu Diploma de prefeito de Tucuruí, ao tentar tomar posse de fato e direito do gabinete do prefeito no prédio do poder executivo recebeu o comunicado que tramitava um recurso no TRE, solicitando a impugnação de sua chapa, no pedido a alegação seria que Raimundo Ribeiro de Souza era militante do Partido Comunista Brasileiro – PCB, que naquela ocasião existia na ilegalidade no Brasil.

Imediatamente o prefeito eleito “Diquinho” e seu vice-prefeito Carlos Silva viajaram a cidade de Belém capital do Pará, para esclarecerem o impasse criado pela oposição, que perderam a eleição realizada democraticamente e não queriam por força que o vencedor exercesse o cargo de prefeito.

Em Belém, graças a sua simplicidade e seu carisma, Ribeiro de Souza, conseguiu agendar uma audiência com o chefe do Serviço Nacional de Inteligência – S.N.I., que na época era exercida pelo Coronel Jarbas Passarinho.

Na audiência o prefeito eleito e diplomado Raimundo Ribeiro de Souza e seu vice-prefeito Carlos Silva, fizeram um histórico de suas vidas, pessoais e políticas, esclarecendo infundada a denúncia de suas participações de partidos de esquerda no estado. O Coronel Jarbas Passarinho, ouviu atentamente os esclarecimentos e solicitou um tempo para analisar o caso.

Passado três dias, “Diquinho” e Carlos, foram convocados ao escritório do S.N.I. Após algumas horas foram recebidos pelo Coronel Jarbas Passarinho que imediatamente repassou a “Diquinho” uma certidão garantindo que nada constava contra sua pessoa com referência a denúncia. Passarinho orientou “Diquinho” que voltasse a Tucuruí e “governasse pelo bem de seus moradores”.

Parceria – Passado este episódio, Ribeiro de Souza começou a ter um grande elo de amizade e parceria com o Coronel Passarinho.

Os seus primeiros anos de governo foi marcado com muitas dificuldades devido à escassez de recursos, haja vista, que a movimentação financeira era basicamente dos funcionários da  Estrada de Ferro Tocantins.      
     
Graças a sua articulação política e as amizades construídas, o prefeito “Diquinho”, cerrou fileiras no partido da ARENA, naquela época representava a base de sustentação do governo e em contra partida com a revolução e a extinção dos partidos, ficaram apenas a ARENA partido da situação e foi criado o MDB partido contrário ao governo.

Em 1964, assumiu a presidência do Brasil o Marechal Castelo Branco e como governador do estado do Pará Coronel Jarbas Gonçalves Passarinho, foi então que graças à amizade formada com o governador Passarinho que o estado começou a ajudar Raimundo Ribeiro de Souza na prefeitura de Tucuruí.

Na ocasião a cidade começou a se transformar num canteiro de obras com a parceria do governo do estado, diversas obras foram executadas entre elas: Construção da Rampa de Embarque e Desembarque nas margens do Rio Tocantins; Construção do Mercado Municipal que antes funcionava a sede da Prefeitura Municipal numa casa de madeira.

Construiu ainda o Palacete Municipal de Tucuruí, atual Câmara Municipal Palacete Raimundo Ribeiro de Souza e no espaço em frente foi construída à Praça Jarbas Passarinho antes denominada de Praça Barão do Rio Branco.

Em seu governo foram realizadas obras de infraestrutura como a abertura de diversas vias: Rua Santa Terezinha; Vila Sudam atual Av. Presidente Médici, Vila Progresso atual Dom Cornélio Vermans.

Na área de segurança pública foi em seu governo que foi construída a Delegacia de Polícia (na Lauro Sodré). Na educação municipal construiu várias escolas entre elas: Escola Isolada do Murú, Escola Isolada do Breu Branco, Escola Mista de Santa Rosa, Escolas Reunidas Pedro Teixeira.

Com uma ampla visão de futuro “Diquinho” realizou a construção da ponte sobre o Igarapé Santana; ponte em madeira de lei no Igarapé Góes; nivelamento e bordaduras da Travessa Lauro Sodré; Rodovia Tucuruí/ Caripé, estrada Santa Rosa/Bacuri, estrada Breu Branco/Breu Velho, estrada Breu-Velho/Anuerá; estrada breu branco/Capuerana, estrada Remansão do centro/Remansão da Beira.

Foi “Diquinho” que já pensando na fomentação e na prática do esporte, que construiu o primeiro campo oficial de futebol do município.  
           
Muitos diziam que Ribeiro de Souza tinha pensamentos audaciosos e que suas ideias eram inviáveis, mais em todas as suas empreitadas “Diquinhio” sempre cumpriu com seus objetivos, desta vez, devido a grande carência de energia e a deficiência no fornecimento de energia elétrica e no abastecimento de água, mais uma ideia foi colocada em prática por Ribeiro de Souza.

Naquela época o fornecimento de energia elétrica era realizado através de uma Usina de Força e Luz, abastecida com óleo diesel, localizada na Rua Santo Antônio atualmente onde funciona a Farmácia de Medicamento Popular antigo Sopódromo.

Devido ao acelerado crescimento da cidade, o fornecimento de energia não estava suprindo a demanda.

Foi quando o idealista Ribeiro de Souza iniciou em parceria com a Estrada de Ferro Tocantins, através de seu diretor Major Khouri foi iniciada a construção da Mini Hidrelétrica de Tucuruí no Bairro da Jaqueira, hoje conhecida como Hidráulica.

No início da construção da Hidráulica, Raimundo Ribeiro de Souza teve muitas dificuldades e chegou a solicitar cimento para o governador Alacid Nunes por intermédio da grande amizade que tinha com o Coronel Jarbas Passarinho, que encaminhou um bilhete ao governador com a seguinte redação: ”Atenda este prefeito que sonha com os olhos abertos um sonho bom”.

O governador Alacid Nunes se empolgou com a ideia de Ribeiro de Souza e prometeu doar ao munícipio uma turbina que seria fabricada no estado do Rio Grande do Sul, a turbina chegou a ser entregue em Belém, porém nunca chegou à cidade de Tucuruí, a ideia do projeto da Mini Hidrelétrica ficou inviabilizada e a obra nunca foi concluída, sendo uma das grandes frustrações de “Diquinho” em seu governo.

Como nunca desistia de seus sonhos, “Diquinho” passou a perseguir a solução da falta de energia elétrica, sendo solucionada com a aquisição de 2 motores conjugados da marca Scania.

O caminho do sucesso – Raimundo Ribeiro de Souza renunciou o cargo de prefeito de Tucuruí no dia 15 de julho de 1968, para assumir a direção da Estrada de Ferro Tocantins, permanecendo na função ate sua extinção no ano de 1973; através da Portaria nº 257/73 do Ministério dos Transportes determinando à paralisação da Estrada de Ferro Tocantins, com a desculpa que sua manutenção estava trazendo prejuízos aos sofres da nação.

Na última viagem da Maria Fumaça, em cada parada que fazia “Diquinho” discursava emocionando a todos.

A ascensão estadual - Raimundo Ribeiro de Souza era um político por vocação, sempre foi um homem com poucos recursos, mais, honesto e de um caráter forte, graças a estes requisitos, o Coronel Jarbas Passarinho, seu amigo particular, convidou Ribeiro de Souza, para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Pará. “Diquinho” antes de dar sua resposta procurou o apoio dos amigos que o foram solícito a sua candidatura.

Mesmo não sendo filho da terra, “Diquinho” sempre batia no peito e dizia que se considerar filho de Tucuruí.

Raimundo Ribeiro de Souza foi eleito o primeiro Deputado Estadual de Tucuruí pela legenda da ARENA, no dia 15 de novembro de 1974, com 6.311 votos, sendo 2.000 votos de Tucuruí e 1.000 votos de Belém, “Diquinho” foi bem votado nos municípios de Baião, Jacundá, Cametá, Senador José Porfírio e em Marapanim.

No parlamento estadual Ribeiro de Souza desempenhou seu papel atuando nas seguintes funções: membro titular das comissões de economia, finanças, fiscalização financeira e orçamento, comissão de transportes, comunicações de terras e obras públicas e suplente da comissão de educação, saúde e assistência social.

Atou como vice-líder do governo Aluísio Chaves e primeiro secretário da mesa diretora da Assembléia Legislativa (cargo que permaneceu por apenas 20 dias em função de sua morte súbita).

Sua atuação como deputado foi reconhecida através de diversas matérias de interesse coletivo: Solicitou a presença de uma comissão da secretaria do estado de educação com o objetivo de verificar in loco a situação e necessidade do ensino de 1º grau, bem como estudos para implantação do 2º grau em Tucuruí; E no setor da saúde pediu uma comissão da secretaria do estado de saúde com a finalidade de levantar as necessidades no setor da saúde, apresentando relatório destinando a solução; Consegui uma equipe da Telepará, para elaborar estudos para implantação de novos equipamentos e extensão da rede telefônica urbana; Trouce uma equipe da Cosanpa com o objetivo de estudar a possibilidade de expansão da rede de abastecimento de água, inclusive, aos novos loteamentos que servem de continuidade da cidade; Foi dele a iniciativa da criação de uma comissão de técnicos para elaborar um plano preliminar de desenvolvimento local integrado do município de Tucuruí.

Outros requerimentos também foram formalizados como: pedindo ao engenheiro diretor do 2º distrito regional do DNOS, no sentido de que determine estudo para a elaboração de um projeto de infraestrutura do sistema viário da cidade de Tucuruí; solicitou ao diretor geral do Departamento Nacional de Portos e Vilas Navegáveis, no sentido de que determine o início das obras do porto da cidade de Tucuruí, cujo projeto foi elaborado pela 2ª diretoria do referido departamento; interviu junto aos presidentes do Banco do Brasil e do BASA, dirigindo apelo do povo tucuruiense no sentido de que mandem proceder a estudos geo-socioeconômicos para a instalação de agências dos referidos estabelecimentos de crédito em Tucuruí; oficie ao presidente nacional do INCRA, apelando para que determine a quem de direito, ordem no sentido de que proceda a regularização das áreas ocupadas no município de Tucuruí, expelindo, consequentemente, a necessária documentação oficial.

Mesmo atuando no legislativo Ribeiro de Souza conhecedor profundo das carências de Tucuruí, preocupado com a grande explosão demográfica da cidade, e sabedor do perigo que representava o pequeno campo de aviação da cidade, segundo ele, o aeroporto já estava praticamente no centro de Tucuruí, colocando em alto risco a segurança dos habitantes; aeronaves e de seus passageiros.
Neste sentido o deputado Ribeiro de Souza, requereu na sessão de 04 de setembro de 1975, que a Assembléia Legislativa do Pará oficializasse ao diretor da COMARA, Coronel Otomar da Silva Lopes, o pedido do parlamentar no sentido de colocar em prioridade, a construção do aeroporto da cidade Tucuruí, que seria uma forma de garantir um maior respaldo a obra de construção da hidrelétrica do Tocantins, tendo em vista que a área destinada ao mesmo já estava topograficamente levantada e reservada.

No período dos seus dois anos e mais alguns dias de mandato com deputado estadual genuinamente representante de Tucuruí, Raimundo Ribeiro de Souza o querido amigo de todos “Diquinho”, usou o parlamento para tentar resolver todos os problemas emergências de Tucuruí, tanto os pequenos quanto os grandes, como por exemplo, a implantação da Cobal, com isso reduzindo o valor da cesta básica dos tucuruienses. Foi ele quem trouce o Funrural, que posteriormente se transformou no Hospital da Fundação Nacional de Saúde.

Graças a seu trânsito nos órgãos de governo conseguiu a instalação das agências bancarias do Banpará, BASA e Banco do Brasil.

Grandes bandeiras de lutas foram levantadas pelo idealista Ribeiro de Souza, que travou acirradamente uma batalha pelo baixo índice da quota de ICM – Imposto de Circulação de Mercadorias, que cabia a Tucuruí. Devido aos muitos pronunciamentos em defesa desta causa, na edição do Jornal informativo da Alepa “Legislativo em Marcha” do dia 20 de novembro de 1975, foi publicada uma entrevista com o secretario de fazenda do estado que disse: “o governo estará reexaminando os índices de distribuição das quotas do ICM, em face da reclamação que foi feita pelo deputado Raimundo Ribeiro de Souza, através do deputado Brabo de Carvalho, que deu como exemplo o caso de Tucuruí, que com mais movimento comercial e até indústrias recebe muito menos do que o município de senador José Porfírio”.

Para “Diquinho” a maior felicidade de sua vida seria presenciar a Usina Hidrelétrica de Tucuruí em funcionamento, ele dizia: “um dia cantarei o hino nacional quando as turbinas forem acionadas, aí, ninguém mais segura Tucuruí, e, nem o Ribeiro de Souza”.  
      
A dia fatídico - Na manhã do dia 18 de março de 1977, uma sexta-feira por volta das 6:30 h, a população de Tucuruí e do Pará acordou recebendo a notícia de um grave acidente ocorrido na Rodovia PA 70, que ligava Marabá a Belém/Brasília. Exatamente nas proximidades do Km 53, um veículo Fusca, trafegava com a velocidade acima de 80 km, em uma estrada de piçarra, inexplicavelmente o veículo derrapou, e, em seguida capotou três vezes.

No veículo estavam o deputado estadual Raimundo Ribeiro de Souza e seu amigo o jornalista Biamir Siqueira, após o acidente as vítimas foram socorridos cerca de uma hora depois do acidente, por um motorista de caminhão que trafegava na rodovia.

“Diquinho” ainda estava com vida, sendo levado para a Clínica de Vila Rondon, porém face aos inúmeros ferimentos e ao traumatismo craniano o deputado veio a falecer após poucos minutos de sua internação.

O ex-vereador, ex-prefeito e deputado estadual representando a cidade que tanto amava Tucuruí, Raimundo Ribeiro de Souza o “Diquinho” faleceu aos 46 anos de idade, regressando a Tucuruí de suas atividades como parlamentar na Assembleia Legislativa do Pará que atuou ativamente por 2 anos, 2 mês e 17 dias.

O sepultamento – Toda a população de Tucuruí ficou abalada, seus familiares ficaram inconsoláveis pela perda fatal, políticos tanto da ARENA seu partido como os Peemedebistas foram solidários a perda de um grande parlamentar.

Segundo declarações do Deputado Antônio Pereira, amigo particular, na véspera da viagem ainda tentou convencer “Diquinho” de não viajar de carro, tentando convencê-lo de ir de avião, porém o deputado preferiu ir de carona com o amigo jornalista Biamir Siqueira, sendo que seu destino já estava traçado e sua viagem iniciada em Belém foi finalizada nos braços de Deus.

Prematuramente a perda de Ribeiro de Souza deixou uma grande lacuna na política local e estadual, sendo que graças a sua atuação “Diquinho” estava bem cotado para a disputa de cargos mais elevados na defesa do Pará nas eleições vindouras.

Por volta das 17:30 h o corpo do deputado chegou ao Aero Clube de Belém, que encontrava-se lotado com deputados, parentes e amigos, que não acreditavam ao ver descer do avião o corpo do deputado líder de Tucuruí Ribeiro de Souza em um caixão.

Seu corpo foi conduzido ao salão nobre da Assembléia Legislativa, e o velório iniciou as 20:30 h e permaneceu até as 7 h do sábado (19), sendo celebrada a missa de corpo presente e o cortejo sairia para o sepultamento em Belém.       
 
Na cidade de Tucuruí uma grande manifestação popular tomou as ruas pedindo que o corpo de seu líder fosse sepultado na terra que ele escolheu como sua, a família emocionada com a demonstração de carinho dos tucuruienses, atendeu ao pedido da população e após a missa o corpo foi levado de avião para Tucuruí.

Durante todo o dia 19 de março a população prestou sua última homenagem no funeral de Raimundo Ribeiro de Souza que foi realizado na Câmara Municipal.


Na manhã do dia 20 de março de 1977, o corpo do Deputado Raimundo Ribeiro de Souza foi sepultado no Cemitério Santa Isabel, era um domingo ensolarado, mas a população estava triste pela perda do amigo e irmão “Diquinho”, a cena era de uma cidade abandonada e de luto, ninguém após o término da cerimonia no cemitério saiu às ruas, nem um som se quer era ouvido em toda a cidade, muitos acreditam que esta data foi a mais triste ocorrida na história da cidade de Tucuruí. (Wellington Hugles com informações de Heleide Souza e Miguel Oliveira)