Pesquise as matérias do JT:

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Hildebrando Azevedo ganhou perdão dos Vereadores Breuenses, mas permanece sem cargo e preso


WELLINGTON HUGLES
De Breu Branco
Foto: Divulgação

A Câmara Municipal de Breu Branco realizou na manhã desta terça-feira (1), sessão extraordinária para analisar o procedimento administrativo que apurou o decoro parlamentar cometido pelo ex-vereador Hildebrando de Sousa Azevedo, quando na ocasião de sua detenção por ordem judicial, por suspeita de envolvimento em crime de peculato, disparou comentários contra os parlamentares de Breu Branco, afirmando: “existe um esquema envolvendo o legislativo, executivo e judiciário para me prejudicar”.

A sessão extraordinária que contou com a presença de Hildebrando de Sousa Azevedo, que esteve no município para participar de audiência de oitiva, realizada nesta segunda-feira (31), perante o juiz José Jonas Lacerda de Sousa, titular da Comarca de Breu Branco, em função a mais uma denúncia formulada pelo MPE, de um suposto crime de estelionato, em função ao ex-vereador ter repassado diversos cheques, e posteriormente ter realizado a sustação dos mesmos no momento da cobrança.

Durante a sessão, o ex-parlamentar Hildebrando de Sousa Azevedo, usou a tribuna, e em prantos, emocionou os 13 vereadores com assento no legislativo, dizendo: “peço perdão pelo que falei, tenham certeza que foram mal compreendidos, jamais quis falar da lisura e da competência desta casa de leis, muito menos dos vereadores por estarem contra a minha pessoa”.

Hildebrando disse ainda, “não desejo a ninguém o sofrimento, o escárnio e a situação desesperadora que estou passando, espero que os vereadores me perdoem”.

Mesmo com a cópia do vídeo e do áudio, nas mãos dos membros da Comissão Processante, as vereadoras deram o parecer favorável pela não cassação administrativa de Hildebrando Azevedo, da função de vereador por decoro parlamentar.

Durante a votação apenas os vereadores Caetano e Adelson Brito foram favoráveis ao procedimento administrativo pela cassação por decoro parlamentar do ex-vereador Hildebrando de Sousa Azevedo.

Na contra mão – Na verdade, os 10 parlamentares breuenses se comoveram pelas alegações do ex-vereador, mas em nada modifica a situação do ex-parlamentar, haja vista, a decisão dos parlamentares entra em choque a decisão da justiça, que após a denúncia volumosa do MPE, com provas cabais do crime de peculato, quando Azevedo estava à frente da Secretaria de Ação Social do governo municipal, no período de 2009 a 2012, desviou volumosas quantias dos cofres do governo municipal e de recursos federais, utilizando o produto do peculato em sua eleição ao cargo de vereador.

Em face, destes fatos, à justiça, nada restou a não ser fazer cumpri as leis, exaurindo a sentença de 20 anos em regime fechado, além da perda imediata do mandato eletivo de vereador, que foi suprimido de forma irregular, com a utilização dos valores, produto do crime imputado a Hildebrando Azevedo, para a garantia de sua vitória nas eleições de 2012.


O ex-parlamentar Hildebrando de Sousa Azevedo retornou ao cárcere em regime fechado na Penitenciária Metropolitana, em Santa Isabel do Pará, e mesmo com a decisão dos parlamentares da Câmara de Breu Branco pela não cassação de Hildebrando Azevedo, nada muda a decisão judicial, e se a mesa diretora da Câmara realizar depósitos dos vencimentos na conta do ex-parlamentar, poderão estar cometendo irregularidades irreversíveis, e que poderá ser coibidas por sanções legais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário