Pesquise as matérias do JT:

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Ponte do Rio Arataú cai no sudeste do Pará: Transamazônica está intrafegável









WELLINGTON HUGLES
De: Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

No início da manhã desta terça-feira (5), a ponte de ligação da rodovia BR 230 (Rodovia Transamazônica), caiu dentro das águas barrentas do rio Arataú, no momento da queda da ponte de armação de concreto, uma carreta lotada de madeira e uma caminhonete de marca Hilux, trafegavam na ponte, com a queda, os veículos ficando totalmente destruídos, mas não houve nenhum registro de vítimas fatais, só os condutores que sofreram lesões e fraturas, mas foram levadas as pressas para o Hospital da cidade de Pacajá, distante 20 km da Vila do Arataú.

Mesmo com as obras de asfaltamento que avançam pela Rodovia Transamazônica, a ponte em cima do Rio Arataú, não recebeu nenhuma melhoria, haja vista, ter sido construída ainda na década de 90, e nunca recebeu nenhuma manutenção.

Um engarrafamento quilométrico se formou em ambos os sentidos, em direção ao município de Novo Repartimento e Pacajá, o grande fluxo de veículos estão direcionados ao município de Altamira onde estão localizados os canteiros de obras da Usina de Belo Monte.

Após o meio-dia desta terça-feira, a única opção viável para os passageiros dos transportes coletivos e o transbordo nos ônibus das linhas, onde os passageies são obrigados a atravessarem o córrego do rio em canoas, pagando uma taxa para a travessia.

Segundo as testemunhas que chegaram após o momento em que a ponte cedeu tudo aconteceu rapidamente logo no início da manhã, uma carreta lotada com carga de madeira, e que estava viajando no sentido Pacajá para Novo Repartimento e na contra mão seguia uma caminhonete Hilux, exatamente no momento em que os veículos se cruzaram no meio da ponte, que mede cerca de 100 metros, foi neste exato momento que a estrutura de concreto desabou de uma só vez.

A carreta virou para a lateral da ponte caindo no córrego do rio e a caminhonete bateu frontalmente na outra parte da ponte ficando engatada na estrutura.

Até o momento, nenhuma solução foi tomada para garantir o tráfego dos veículos, a Polícia Rodovia Federal chegou ao local, e isolou a área, e deu acompanhamento aos Policias Militares que estavam dando total apoio na organização do trânsito.

O Departamento Nacional de Infra Estrutura Terrestre – DNIT, ainda não tomou nenhuma providência no sentido de viabilizar uma via de acesso opcional para direcionar o fluxo de veículos, mas estuda a construção de um desviou com a colocação de uma balsa para realizar o transporte dos veículos entre as margens do Rio Arataú, localizado entre os municípios de Novo Repartimento a Pacajá na rodovia BR 230, a conhecida Transamazônica.



2 comentários:

  1. Quanto tempo será que vai levar para que se tome providências???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. talvez nunca pq ate hj nada ate o desvio que foi feito a agua levou e esta a mesma novela uma fila quilometrica uma situaçao que nao a nem palavras para descrever e uma vergonha nacional

      Excluir