Pesquise as matérias do JT:

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Paragominas: Polícia Civil colocou atrás das grades os envolvidos na morte do comerciante


 Antônio Lucirlei de Souza


 Jean da Silva Amorim
 Katio Miguel dos Reis Gomes vulgo "Rato"
Ronilson Serafim dos Santos vulgo "Roni"

WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

Ocorreu na manhã da quinta-feira (31), no município de São Miguel do Guamá, a prisão do nacional Jean da Silva Amorim, qualificado como o executor de Antônio Lucirlei de Souza, fato ocorrido na tarde do último dia 17 de julho, em frente ao Bar da vítima, localizado no Bairro Cidade Nova, no município de Paragominas.

No momento de sua prisão, Jean Amorim, ainda estava de posse do revólver calibre 38, municiado, sendo a arma utilizada para ceifar a vida de Antônio Lucirlei de Souza.

Segundo o Delegado Jivago Ferreira, que presidiu as investigações, que contou com o apoio dos investigadores: Rildo, Pereira, Augusto e o escrivão Pantoja, além da equipe de investigadores da Secretaria de Inteligência Criminal – SIC.

Um fato que chamou a atenção da polícia, foi que a vítima ainda esteve na delegacia de Paragominas na manhã do dia 16 de julho, um dia antes de seu assassinato, na oportunidade, relatou ao delegado que na noite do dia 15 de julho, havia sido vítima de uma tentativa "branca", onde o atirador não conseguiu atingi-lo com os disparos de revolver, relatou ainda, que a motivação do crime estaria relacionada a um processo em que Antônio Lucirlei, figurava como testemunha, e que, portanto, a única pessoa que poderia ser o mandante da sua execução seria o traficante conhecido pelo pseudônimo de "Jean".

Diante das informações prestadas, a equipe da Seccional de Paragominas passou a diligenciar no sentido de prender o nacional Jean da Silva Amorim, que posteriormente se configurou como o executor de Antônio Lucirlei, com a ajuda dos seus comparsas que lhe deram apoio para o assassinato, foi quando a “casa caiu” para o nacional Katio Miguel dos Reis Gomes, mais conhecido como "Rato", sendo ele, o intermediário da contratação do pistoleiro, ficando ainda com a responsabilidade do transporte do executor ao local do crime e na garantia da fuga, utilizando para tanto um veículo táxi, sendo preso ainda em flagrante em Paragominas.

Com a prisão de "Rato", a trama que culminou com a morte de Antônio Lucirlei, começou a ser desmontada, sendo que, os investigadores chegaram ao executor, identificado como sendo Ronilson Serafim dos Santos, mais conhecido por "Roni", que também, foi preso, e estar fazendo companhia a Katio Miguel, vulgo “Rato” em uma das celas do Centro de Recuperação de Paragominas, pelo crime de tentativa de homicídio relatado antes mesmo de sua execução por Antônio Lucirlei de Souza.

Para a surpresa dos policiais, Antônio Lucirlei foi executado em frente ao seu estabelecimento e a poucos minutos de ter saído da delegacia de polícia, inclusive, Jean da Silva Amorim que tinha sido denunciado pela vítima ainda em vida, como o mandante, foi quem tirou a vida do comerciante Antônio Lucirlei, cumprindo com as suas promessas contra a vida da vítima, executando friamente em plena luz do dia, e na presença de seus familiares e moradores locais sem a possibilidade de defesa.

Após a execução de Antônio Lucirlei, o delegado Jivago Ferreira representou pela prisão preventiva de Jean da Silva Amorim, sendo localizado e preso por policiais civis da Secretaria de Inteligência Criminal-SIC em São Miguel do Guamá, o qual foi conduzido à cidade de Paragominas e também já está bem guardado em uma das celas do Centro de Recuperação de Paragominas.

A superintendente da Zona Bragantina, Delegada Bruna Paolucci Tarallo, asseverou que uma das diretrizes da atual direção da Polícia Civil é combater firmemente os crimes contra a vida na região, e para tanto tem recebido apoio de órgãos integrados ao sistema de segurança pública.


2 comentários:

  1. Esse Jivago é mto bom mesmo. Tomara que ele volte pra Tucuruí, porque se ele estivesse aqui não estaria ocorrendo tanto roubo de moto como esta acontecendo e ninguem mais encontra essas motos. Muito estranho....

    ResponderExcluir
  2. Parabens, Dr, Givago, sabemos que onde o Sr,estiver o Sr, mostra trabalho, pena que tucurui ficou sem o Sr, mais a populacao de tucurui agradece, pelos brilhantes servicos que o senhor fez em tucurui.E esperamos que logo volte pra continuar seus relevantes trabalhos defendendo a socoedade tucuruiense.

    ResponderExcluir