Pesquise as matérias do JT:

terça-feira, 11 de março de 2014

Intrafegável: Atoleiro de mais de 10 km mantem Transamazônica fechada

















WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

A rodovia federal Norte/Sul, conhecida como Rodovia Transamazônica (BR 230), idealizada ainda na década de 70, no governo militar do ex-presidente Emílio Médici, passado mais de 40 anos, e até hoje ainda passa pelas maiores dificuldades de trafegabilidade, em função a ação das fortes chuvas, que formam atoleiros gigantesco, impossibilitando que os veículos possam trafegar pela rodovia.

Mesmo com um grande avanço nos governos do ex-presidente Lula e no atual da presidenta Dilma Roussef, onde muitos trechos já contam com asfaltamento de qualidade, muitas áreas ainda estão abandonadas, e os usuários ficam sem assistência do governo, aguardando apenas a suspensão das chuvas para que os atoleiros possam cessar e poderem dar continuidade as viagens.

Um trecho que se encontra fechado a mais de uma semana, esta localizando entre os municípios de Novo Repartimento, Pacajá até Anapu, desde a localidade conhecida como “Ladeira da Velha” até a chegada em Anapu, à situação e de calamidade pública, o lamaçal engoliu a rodovia, são mais de 10 km de estrada sem tráfego, a fila de veículos e incalculável, os passageiros são obrigados a deixarem os ônibus e seguirem viagem a pés com suas bagagens na cabeça, dentro do lamaçal até o outro ponto da rodovia, para poderem seguir viagem aos seus municípios, os trabalhadores da obra de construção da Usina de Belo Monte, estão sendo um dos mais prejudicados, muitos pagam a passagem de suas origens para Altamira, mas abandonam os ônibus para tentarem chegar a Altamira, tendo que andar mais de 10 km na lama e depois pagando nova passagem parta seguirem viagem.

Os inúmeros ocupantes dos veículos, entre: ônibus, caminhões, carretas e veículos de passeios, na sua grande maioria já estão sem alimentos e afundados na lama, não tendo condições nem de irem para frente nem para trás, os caminhões com produtos perecíveis, já tiveram suas cargas perdidas, em função a fila de carros no atoleiro, muitas brigas são registradas momentaneamente, por motoristas que tentam furar o engarrafamento, pensando que a estrada pode ser trafegável.

A Polícia Rodoviária Federal está no local, mas nada pode ser feito, em função da força da natureza, com as chuvas que não cessas, os produtores rurais da região tentam garimpar dinheiro colocando seus tratores para puxar os carros menores, cobrando de cada veículo R$ 100,00, para poder retirá-los do atoleiro, mas a cada momento prejudicam ainda mais a estrada afundando ainda mais o atoleiro.

A empresa que estava responsável pela manutenção deste trecho da rodovia, não foi encontrada na localidade, com isso, a situação esta complicadíssima, sem nenhuma solução imediata.


Todos que estão no local a mais de uma semana estão preocupados com a falta de água e alimentos, inclusive ao grande índice de pessoas que estão adquirindo enfermidades e encontram-se sem condições de abandonarem seus veículos em busca de tratamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário