Pesquise as matérias do JT:

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Goianésia do Pará: Surto de meningite preocupa população




WELLINGTON HUGLES
De Goianésia do Pará
Foto: Wellington Hugles

A população da cidade de Goianésia do Pará, localizada as margens da PA 150, distante 350 km da capital Belém, na região sudeste do estado, atravessa um dos mais preocupantes surtos de meningite já ocorrido na cidade. Três casos já foram registrados, sendo que dois já foram confirmados, e o número poderá aumentar após a realização de exames especializados nas pessoas que ficaram expostas a doença.

Desde o início do ano de 2015, o funcionário público do estado, lotado na Delegacia de Polícia Civil de Goianésia do Pará, o investigador conhecido como “Doca”, vinha sentindo febre alta repentina, forte dor de cabeça, o pescoço estava rígido, com muitas náuseas e vômitos, chegando a grande sonolência e fotossensibilidade, bem como acentuada falta de apetite, culminando com rachaduras e presença de manchas vermelhas na pele. Sinais comuns em casos de meningite, quando manifestados, mas que são facilmente confundidos com os sintomas típicos da gripe. Eles geralmente aparecem em algumas horas podendo se estender até dois dias após a infecção.

O Policial Civil chegou a ser internado no Hospital Municipal de Goianésia do Pará, mas que em função ao agravo em seu quadro clínico, foi transferido imediatamente para Belém, onde está sendo assistido, e encontra-se isolado já passando pelo tratamento de Meningite.

Na tarde deste domingo (11), a funcionária pública municipal de Goianésia do Pará, Maria Claudiene de Souza Pinho, de 24 anos, que trabalha no setor de limpeza do hospital, começou a apresentar os mesmos sintomas, sendo isolada em um leito improvisado naquela unidade de saúde, mas que não garante em nada o seu tratamento, muito menos o seu isolamento da doença, para evitar o contágio dos outros pacientes e servidores, culminando ainda, com a falta de medicação adequada para o tratamento, haja vista, já ter se esgotado a reserva dos remédios, em função ao período de encubação da doença no policial civil, todos os outros servidores lotados na Delegacia de Goianésia do Pará, que conviviam com ele, procuraram o Hospital Municipal em busca de medicação preventiva para o combate da Meningite.

Outra situação que está causando preocupação é a que passam os detentos da Delegacia de Goianésia do Pará, que também conviveram com o policial civil, infectado com meningite, e que estão ameaçados do contágio.

Segundo informações, muitos dos presos que não são de justiça, chegaram a ser liberados para evitar a contaminação dentro das celas da delegacia, inclusive, na tarde desta segunda-feira (12), será realizada a lavagem geral da delegacia com produtos químicos, além da pintura das selas para evitar a contaminação dos detentos.

Descaso – A Prefeitura de Goianésia do Pará está tentando de todas as formas “abafar” a situação de calamidade pública, inclusive a própria Vigilância Sanitária da cidade, informou que não existe nenhuma contaminação ambiental na delegacia e no Hospital Municipal, mas os casos de suspeitas de meningite estão se proliferando em toda a cidade, haja vista, a grande quantidade de pessoas que procuram e convivem no hospital diariamente, e que ficaram expostas a doença, além dos presos que foram liberados para suas casas, com isso, é necessário que o Governo do Estado, através da Sespa, intensifique imediatamente uma campanha de prevenção e de tratamento dos casos suspeitos de meningite, bem como, a transferência imediata da funcionária municipal Maria Claudiene de Souza Pinho, que se encontra sem nenhum tratamento especializado, em uma sala improvisada dentro do hospital municipal em Goianésia do Pará, estando exposta a uma evolução de piora, em seu quadro clínico.

A equipe de reportagem procurou a sede da Prefeitura de Goianésia do Pará, em busca de um posicionamento do prefeito João Gomes, conhecido como “Russo”, mas o mesmo não foi encontrado. Já na sede da Secretaria de Saúde da cidade, em função ao período de recesso administrativo, ninguém também foi localizado para dar esclarecimentos à situação da suposta epidemia de meningite.

A direção do Hospital Municipal de Goianésia do Pará informou que não existe nenhum caso de meningite confirmado na cidade, e que dentro daquela unidade de saúde, existe apenas uma paciente que inclusive e funcionária municipal, internada com suspeita de meningite, mas que se encontra em tratamento e em observação.

Os familiares da funcionária do hospital municipal Maria Claudiene de Souza Pinho, desmente a diretora, e afirmam que já foi confirmada sua infecção por meningite, com a comprovação após o resultado de exame, e que a diretora está seguindo a orientação do gestor municipal “Russo”, tentando a qualquer custo “abafar” o caso, para evitar uma repercussão negativa contra sua administração, em função ao colapso evidente que atravessa o setor da saúde na gestão municipal.

Os funcionários do estado e da prefeitura municipal, além de toda a população, aguardam um posicionamento urgente da Secretaria de Estado de Saúde, intervindo no município, iniciando uma força tarefa emergencial, para evitar uma epidemia ainda maior, que poderá se alastrar rapidamente em toda a cidade, podendo se expandir pela região, colocando a população em uma situação “russa”.
  




Nenhum comentário:

Postar um comentário