Pesquise as matérias do JT:

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Hospital Regional: Caos na saúde, pacientes sofrem pelos corredores aguardando cirurgias

 Hospital Regional de Tucuruí, pacientes sofrem pelos corredores aguardando cirurgias em função a pane nos equipamentos


 Aparelho Intensificador de Imagem, conhecido como Arco Cirúrgico quebrado há dias, no centro cirúrgico, impossibilitando a realização de cirurgias

Caos na saúde em Tucuruí, pacientes lotam os leitos e corredores aguardando cirurgias

WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

Desde o início da semana dezenas de pacientes lotam as enfermarias e os corredores do Hospital Regional de Tucuruí (HRT), em Tucuruí, região sudeste do Pará, no aguardando das intervenções cirurgias ortopédicas e neurológicas, pré-agendadas, tudo devido à pane no Aparelho Intensificador de Imagem, conhecido como Arco Cirúrgico, equipamento eletrônico de fundamental necessidade para a realização de cirurgias ortopédicas e neurológicas, sendo este aparelho, responsável em fornecer imagens em tempo real e tempo prolongado de exposição, no momento das intervenções cirúrgicas ao médico, guinado o os passos na colocação das próteses e pinos durante as cirurgias.

O Arco Cirúrgico e um equipamento primordial em um centro cirúrgico, garantindo maior tranquilidade e segurança aos cirurgiões durante as intervenções nos pacientes, sendo orientado em uma tela digital, do caminho que devem percorrer na recuperação e restauração de fraturas e colocação dos equipamentos necessários durante as cirurgias.

Desde a segunda-feira (15), dezenas de pacientes que estavam aguardando suas intervenções cirúrgicas e que estavam em jejum, foi comunicado já no início da tarde que não haveria mais as cirurgias em função a problemas técnicos no aparelho do centro cirúrgico, mesmo com a equipe médica em prontidão e o médico especialista no hospital, tudo foi cancelado em função ao defeito apresentado no Arco Cirúrgico.

É fato, que este equipamento foi adquirido no ano de 2010, e durante todo este período, nenhuma manutenção periódica que garantisse uma maior durabilidade no funcionamento do aparelho foi registrada, com isso, só nos últimos dias mais de 100 cirurgias foram canceladas, colocando o Hospital Regional em colapso, haja vista, a absorção de um número imenso de pacientes de diversos municípios da região, até mesmo do município de Salinópolis, que em função a falta do compromisso dos gestores municipais no atendimento a saúde básica, que é obrigação das prefeituras, encaminham todos os pacientes acidentados e com fraturas para o HRT, superlotando os leitos e o Pronto Socorro, sendo obrigado a colocar pacientes pelos corredores do hospital.

As cenas dentro do Hospital Regional são de muito sofrimento dos pacientes, que estão com gritando de dores, sendo obrigada a ficarem internados em cadeiras e macas sem as mínimas condições, tudo em função a necessidade emergencial de realizarem as cirurgias pelas graves fraturas sofridas, mas que não está podendo ser concretizadas em função a falta do equipamento necessário para visualizar a realização das cirurgias dentro do centro cirúrgico do Hospital Regional de Tucuruí.

No hospital, apenas as cirurgias que não necessitam do acompanhamento especifico através do Arco Cirúrgico estão sendo realizadas.

A solução imediata encontrada através de orientação da SESPA à direção do HRT, e encaminhar os pacientes que moram em Tucuruí e nos munícipios vizinhos que estão com fraturas para suas residências, mesmo sofrendo com dores, e após o conserto do equipamento danificado, serão chamados para, agendarem suas cirurgias.

O paciente em estado mais grave deve ser incluído no programa de Tratamento Fora de Domicílio (TFD), sendo encaminhados para os hospitais do governo do estado em Belém, transferindo apenas a carga de espera e aumentando o sofrimento com viagens rodoviárias.

O Hospital Região de Tucuruí, historicamente sendo uma unidade de saúde de média e alta complexidade, esta passando por todas as dificuldades em função a falência da atenção à saúde da população por parte da Secretaria de Saúde do Estado, que mesmo sendo ciente das dificuldades que passa o HRT, não dar nenhuma atenção emergencial ao caos que gradativamente está se instalando no HRT, deixando sempre as soluções dos problemas para segundo plano, e ainda orientou a direção do regional, que os pacientes sejam encaminhados a capital através do TFD, onerando ainda mais a máquina pública, com o custeio de transporte, superlotando as unidades de saúde da capital.

Mesmo o HRT, contar com competentes equipes médicas, que estão sempre aptas para atender a demanda dos pacientes de Tucuruí e região, ficam ociosas e inoperantes, sem condições de trambalharem no atendimento cirúrgico, pela falta de equipamentos, e muitas, vezes até de matéria de higienização nas cirurgias.

Segundo os profissionais, a situação vem se agravando gradativamente com o sucateamento pelo estado do hospital e seus equipamentos, deixando de dar a mínima manutenção necessária para sua funcionalidade, como exemplo, o HRT era considerado campeão nas cirurgias ortopédicas e de fêmur, e há mais de cinco meses, não são mais realizadas cirurgias de fêmur no HRT, pela falta de equipamento, agira com o Arco Cirúrgico danificado o HRT vai ficar totalmente inoperante para estas cirurgias que são inúmeras na região.

A população esta revoltada pela atitude da Secretaria de Saúde do Estado, que mesmo sabendo do problema com o Arco Cirúrgico danificado dentro do centro cirúrgico do HRT, não deu nenhuma solução imediata a não ser mandas os pacientes para a capital.

A equipe de reportagem procurou a direção do HRT, e foi orientada que a diretora da unidade estava na capital, em busca de soluções para as demandas das situações que estão em desacordo à realidade do atendimento aos pacientes.

Tentamos ainda diversos contatos com a assessoria da SESPA, em Belém, mas sem êxito, e até o fechamento desta edição, nenhuma informação ou nota de esclarecimento com referência ao assunto foi enviada.


Das mais de 100 cirurgias agendadas para os últimos dias, apenas 11 intervenções foram realizadas, haja vista, para estas cirurgias, não haver a necessidade do equipamento danificado o Arco Cirúrgico. Os outros pacientes estão internados aguardando a liberação do TFD para Belém, e a grande maioria foram “despachados” para suas residências até a solução do problema com o aparelho danificado do HRT.

3 comentários:

  1. fora a maternidade do sesp , está abandonada ! é lamentavel e ridiculo como um prefeito não se importa com a vida dos seres humanos me poupe estou revoltada !

    ResponderExcluir
  2. Vcs divulga mostra a realidade e ainda tem gente que diz q esse prefeito e governador são bom. Meu povo vamos acordar nossa cidade vai se acabar se esses homens continuar...

    ResponderExcluir
  3. Eu espero que um dia ele precise de la um dia, talvez de o valor que merece.

    ResponderExcluir