Pesquise as matérias do JT:

terça-feira, 28 de abril de 2015

Movimentos sociais exigem dos vereadores o afastamento do prefeito de Tucuruí











WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

Na manhã desta terça-feira (28) cerca de 2 mil pessoas lotaram a frente da Câmara de Vereadores de Tucuruí, e acompanharam atentos a sessão ordinária do parlamento, dos 13 vereadores com assento na Casa de Leis, apenas 11 legisladores estavam presentes, com exceção dos vereadores: “Dodô” que estava na manifestação de fechamento da PA 263 e o vereador “Irmão Marajá” que encontra-se internado após um principio de infarto do miocárdio, em clínica especializada em Belém.

A pauta da sessão estava extensão, com diversas matérias, dentre elas a análise da aprovação das contas do prefeito de Tucuruí Sancler Ferreira do exercício de 2009 que foi encaminhado pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), sendo aprovado, mais com inúmeras ressalvas, o projeto de Sancler Ferreira, que visa a privatização do Sistema de Distribuição de Água Potável da cidade, através de concessão pública a uma empresa do sul do país, por um período de 35 anos, com o pagamento do valor de R$ 35 milhões para a utilização do sistema já em funcionamento, além do que foi construído pelo governo federal e investidos R$ 15 milhões na construção da ETA na Vila Permanente.

Dentro do pequeno expediente, foi entregue ao vereador do PPS Deley Santos, marido da vice-prefeita Henilda Dias, a pauta de reivindicações dos manifestantes, através das entidades: MAB, Sindsaúde, Sinsmut e Sindicato dos Produtores Rurais de Tucuruí. O vereador Deley Santos usou a palavra, e requereu verbalmente o afastamento do prefeito Sancler Ferreira por um período de 180 dias, para que possa ser analisadas as denuncias e os processos que tramitam na Justiça Federal e Estadual, inclusive, com liminar de bloqueio dos bens de Sancler Ferreira por malversação dos recursos públicos e “esquemas” em licitações.

O presidente da Câmara Davison Furtado, acatou o requerimento, mas não colocou em votação aos parlamentares, em função a não constar regimentalmente no requerimento o numero de cinco assinaturas de vereadores, para que o requerimento fosse apreciado, neste momento os populares se revoltaram e pediram a suspensão da sessão por 20 minutos para que fosse discutida uma solução amigável para a análise e a votação do requerimento popular proposto por Deley.
Em função a negativa dos vereadores em não acatar o pedido das entidades e movimentos sociais, a população decidiu invadir a plenária da Câmara, foi neste momento que o presidente encerrou a sessão, sendo realizada uma reunião entre as lideranças dos movimentos e os vereadores no gabinete da presidência,  que durou toda a manhã, mas nenhum vereador além de Deley Santos oficializou seu apoio e confirmou a sua assinatura ao requerimento de afastamento temporário do prefeito Sancler Ferreira.

Os manifestantes permanecem alojados no prédio da Câmara de Vereadores de Tucuruí, onde estão de forma pacífica, e afirmam que só arredam o pé de dentro da “Casa do Povo”, após uma decisão positiva dos parlamentares.

Manifestações em toda a cidade - Está programada para hoje (29), uma grande caminhada pelas ruas da cidade, com concentração em Frente ao Fórum, para cobrar um posicionamento da justiça pelas inúmeras denuncias formalizadas pelo MPE, e a morosidade dos despachos dos magistrados.

Posteriormente, o povo vai até a sede administrativa da Prefeitura de Tucuruí em busca de soluções ao descaso que atravessa a cidade, com a falta de coleta de lixo, o fornecimento que esta suspenso há mais de 30 dias da água nas torneiras das casas, em diversos bairros, a falta de fornecimento de merenda escolar nas escolas e o não atendimento médico básico no postos de saúde em toda a cidade, além de uma decisão oficial da prefeitura, para a transferência imediata da maternidade municipal que se encontra dentro do Hospital Regional de Tucuruí há mais de 4 anos, e se não houver uma decisão até o fim do mês de abril, os profissionais de saúde do Hospital Regional vão cruzar os braços.

A reportagem procurou o prefeito Sancler Ferreira, mas foi informada que ele está na capital, à situação está complicada para o gestor Sancler Ferreira, mesmo com a maioria absoluta dos vereadores em sua base de apoio, com a fúria da população os parlamentares deverão se posicionar ou a favor do povo ou do prefeito.

Durante a suspensão da sessão, houve muitas discussões calorosas, que culminou com a tentativa de agressão por parte do vereador “Pé de Ferro” conta o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Tucuruí  Nilson, que e uma pessoa que tem uma saúde fragilizada por ser hipertenso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário