Pesquise as matérias do JT:

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Justiça determina a quebra do sigilo fiscal, bancário e a indisponibilidade dos bens do prefeito Sancler Ferreira (PPS) e sua secretária de Finanças Sheila Vaz

 Sancler Antônio Wanderley Ferreira (PPS)
Secretária de Finanças Jane Sheila Vaz Rodrigues
WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

Em processo de Ação Civil de Improbidade Administrativa de autoria do Ministério Público Estadual, a justiça decidiu no último dia 15, pela quebra do sigilo fiscal e bancário, assim como a indisponibilidade dos bens do prefeito de Tucuruí Sancler Antônio Wanderley Ferreira (PPS) e de sua secretária de Finanças Jane Sheila Vaz Rodrigues, duas são as restrições do patrimônio de Sancler Ferreira, a primeira foi determinada através de liminar expedida pela Justiça Federal, em função a denuncia de irregularidades apuradas pelo MPF, na contratação de empresa que realizava o transporte escolar em Tucuruí, ocasionando um desvio de verbas federais do FNDE de quase R$ 2 milhões.       

A decisão da justiça estadual foi tomada, após analisar a denuncia do MPE sobre o desvio de recursos da Associação dos Servidores Municipais de Tucuruí (Asert).

Dentro da Ação Civil de Improbidade Administrativa, foi comprovada que as contribuições dos Servidores Municipais associados da ASERT eram descontadas dos salários dos servidores, mas não era repassada a direção da Asert, para o pagamento dos fornecedores, configurando apropriação indébita e crime de responsabilidade do gestor municipal e de sua secretária de Finanças.  

Na decisão da magistrada, ficou estabelecido que o Ministério Público Estadual esta autorizado a realizar auditorias nas contas da Associação dos Servidores Municipais (Asert), para determinar o montante real da dívida da Prefeitura Municipal de Tucuruí junto a associação, a forma como estes recursos estão sendo empregados, e as responsabilidades e/ou omissões e conivência dos diretores da ASERT nos desvios dos recursos da associação com a conivência do prefeito Sancler Ferreira com a parceria da secretária de Finanças Sheila Vaz.

Segundo levantamento inicial, os bloqueios dos bens de Sancler Ferreira e Sheila Vaz estão avaliados no montante de aproximadamente R$ 12 milhões, dos valores apropriados de forma irregular, que será oficializado após a auditória realizada pelo MPE.

A justiça de Tucuruí já oficializou as agências bancárias, Receita Federal, Detran, Adepará e Cartórios de Registros de Imóveis do Pará e de diversos outros do país, buscando levantar os bens que estejam em nome de Sancler Ferreira e Sheila Vaz, que deverão ficar bloqueados até posterior decisão.


A equipe de jornalismo foi em busca de Sancler Ferreira e Sheila Vaz para ouvir quais suas versões após suas intimações, mas foi orientado que ambos estavam fora do município.

Um comentário:

  1. essa tal JANE tem que ser presa imediatamente policia tem que procurar o que ela surrupiou em outros estados da nação essa é mala com certeza

    ResponderExcluir