Pesquise as matérias do JT:

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Novos equipamentos para o Hospital Regional de Tucuruí

 A diretora e enfermeira Elizabeth Fontenele comemora as conquistas para o HRT





 

WELLINGTON HUGLES
De Tucuruí
Foto: Wellington Hugles

A diretora do Hospital Regional de Tucuruí (HRT), a Enfermeira Elizabeth Fontenele, comemora mais uma conquista em sua administração, com a chegada de novos equipamentos, necessários para a continuidade do atendimento de média e alta complexidade na unidade regional de atendimento a população.

Entre os equipamentos, está a nova mesa para cirurgias ortopédicas, que em função ao tempo de uso da antiga, estava inviabilizando as cirurgias no hospital, sendo necessária a transferência dos pacientes através de TFD, para realizarem as intervenções cirúrgicas na capital, mas graças à ação incansável da diretora Elizabeth Fontenelle, que em função a sua insistência junto a SESPA, consegui viabilizar a aquisição destes equipamentos, que vem atender a grande demanda de cirurgias dos pacientes internados no HRT.

Com a instalação dos novos equipamentos, os profissionais da área da saúde, terão condições de fazerem as intervenções cirúrgicas com maior comodidade e segurança, e quem ganha são os pacientes que não precisam mais sair do seio dos familiares, para a capital.

A SESPA também enviou ao HRT, um novo aparelho de Raio-X, que será instalado na Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia – UNACON de Tucuruí, que segundo a diretora do HRT Elizabeth Fontenele, está em fase de finalização de sua estruturação para a entrada em funcionamento no menor tempo possível, sendo que sua inauguração é de reponsabilidade exclusiva da Secretaria de Estado de Saúde do Pará (SESPA).

A diretora Elizabeth Fontenele, agradeceu a todos os funcionários efetivos, contratados e prestadores de serviços, pelo apoio e a confiança deposita em sua pessoa, no momento que assumiu o HRT, e diariamente ao longo destes quase 12 meses de gestão, vem desempenhando ações para a garantia do atendimento dos pacientes que procuram o HRT em busca de solucionar, suas enfermidades.

Elizabeth Fontenele, esclareceu que, sua nomeação na direção do HRT ocorreu, em um momento crítico, que não agradou a todos, mas passado este período, graças ao empenho no trabalho desenvolvido conjuntamente, compreendeu-se, que sua intenção foi pela garantia da transparência do serviço público e a prestação do atendimento a população que necessita do direito constitucional, que e a atenção a saúde pelo governo, mesmo com todas as diferenças, Elizabeth concluiu que, as diferenças foram superadas e que atualmente, todos estão coesos em busca de soluções para dar o melhor atendimento aos pacientes que precisam de assistência a saúde em nossa cidade, região e no estado.

Sua gestão garantiu também, uma parceria com a classe dos funcionários, estudando, analisado e viabilizando as conquistas da classe, com referência as demandas salariais, tentando garantir e encaminhar à direção da SESPA a resolução de todas as pendências trabalhistas.

Por outro lado, a diretora Elizabeth Fontenele aproveitou a oportunidade para esclarecer que, o atendimento a saúde pública, necessita de muita paciência e vontade de trabalhar, haja vista, as dificuldades que são encontradas com os repasses de verbas e a aquisição de material necessário para a manutenção do hospital, mas que o empenho e dedicação sempre consolidaram a resolução das carências, como exemplo, a garantia da aquisição dos equipamentos necessários para o funcionamento com maior eficácia de alguns setores do HRT que atravessavam dificuldades, “muitos outros equipamentos e materiais hospitalares estão ainda por chegarem, para atender com qualidade e responsabilidade aos pacientes de Tucuruí e região”, afirmou a diretora.

A diretoria esclareceu ainda, que por ser um Hospital público e que funcionam com seu Pronto Socorro de portas abertas, as dificuldades que por ventura são encontrados no momento de internações, e posteriormente identificados os problemas, com a necessidade de intervenções cirúrgicas, há realmente a necessidade de aguardar certo tempo, em função, a grande demanda existente de pacientes internados, além de uma imensa fila de espera que já existia desde o ano de 2008, das cirurgias eletivas, que mesmo, sendo de responsabilidade da rede básica de saúde, estão sendo realizadas gradativamente no HRT, dando provimento ao atendimento dos pacientes que encontram-se com estas enfermidades.

Em função de o HRT ser uma unidade hospitalar que funciona de portas abertas, absorve a demanda de pacientes de todo o estado, com isso, priorizando os casos emergências, de pacientes que corem risco de morte, e, em muitas vezes, deixando de atender prioritariamente a sua função de unidade de média e alta complexidade, em razão de que a vida de um paciente e a principal meta desta direção e de todos os profissionais da área da saúde e funcionários do HRT.

Maternidade – A Enfermeira Elizabeth Fontenele, esclareceu que dentro do HRT tem duas situações diferenciadas quando se trata de maternidade. Existe a Maternidade do HRT, que atende aos casos de mães parturientes, que atravessam um parto que necessita de um atendimento de média e alta complexidade, e que esta funcionando normalmente, com material completo e de reserva.

Dentro de uma ação, entre a direção da SESPA e a Secretaria de Saúde de Tucuruí, foi cedido uma das alas do Hospital Regional de Tucuruí, desde o ano de 2010, para funcionar a Maternidade Municipal de Tucuruí que passaria por uma reforma.

Naquela ala cedida a prefeitura, está ocorrendo o atendimento as partos das mães parturientes encaminhadas pela rede básica de saúde de Tucuruí, que tem sua administração própria, e a direção do HRT não tem nenhuma intervenção ou gestão.

Normalmente, ocorrem alguns problemas que são noticiados dentro da Maternidade Municipal que se encontra em uma ala do HRT, mas que não tomamos conhecimento por ser administrada e gerida pela Prefeitura de Tucuruí, mas sempre recai sobre a direção do Hospital Regional de Tucuruí a responsabilidade pelas situações, de reclamações das parturientes e seus familiares, dos problemas que por ventura estão ocorrendo dentro da Maternidade Municipal, comandada pela Prefeitura de Tucuruí.

Sendo que ficamos reservados apenas a gerir, e responder pela Maternidade do HRT, que atende os casos de média e alta complexidade, nos partos que não podem ser realizados de forma natural, inclusive, estamos atendendo as mães parturientes de Tucuruí e região, concluiu Elizabeth Fontenele.




Um comentário:

  1. nao passa de obrigaçao pois os recursos sao altos nesse hospital

    ResponderExcluir