Pesquise as matérias do JT:

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Operação prende quadrilha que desmatava assentamentos em Pacajá


 Atuação exemplar do Procurador da República Luiz Eduardo de Souza Smaniotto que vem coibindo os crimes ambientais na região
O diretor do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA de Tucuruí Gilvan Ribeiro Reis

Prisões foram solicitadas pelo MPF e autorizadas pela Justiça Federal de Tucuruí. Mandados foram cumpridos nesta terça-feira (14)

Operação realizada no Pará nesta terça-feira, 14 de julho, cumpriu mandados de prisão contra acusados de desmatar ilegalmente o projeto de assentamento Cururuí, em Pacajá, no sudoeste do Estado. 

As prisões são preventivas e foram decretadas pela Justiça Federal a pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Tucuruí.

Foi preso pela Polícia Federal o chefe da unidade avançada do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Tucuruí, Gilvan Ribeiro dos Reis. Ele seria responsável, dentro do esquema, por passar informações sobre possíveis fiscalizações do Incra, evitando que a quadrilha fosse flagrada.

Também foi preso o representante da Federação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf) no sudoeste do Estado Roberto Elias de Lima. Segundo as investigações, Lima teria facilitado a entrada de desmatadores nos assentamentos de reforma agrária.

A operação também cumpriu mandado contra Andrade, acusado de  negociar com assentados a retirada ilegal de madeira. 

Como Andrade foi preso no último dia 1º pela operação Crashwood, do Ministério Público do Estado do Pará, Polícia Civil e Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, ele foi notificado no Presídio Estadual Metropolitano II, em Marituba.

Todos os réus já foram denunciados pelos crimes de constrangimento ilegal, desmatamento em terra pública e comercialização ilegal de produto florestal. Gilvan Ribeiro dos Reis também responde por violação de sigilo funcional.


Dois investigados continuam foragidos.

Com informações do:


www.prpa.mpf.mp.br

www.twitter.com/MPF_PA

Nenhum comentário:

Postar um comentário