Pesquise as matérias do JT:

sábado, 8 de abril de 2017

Desocupação dos moradores do Residencial Cristo Vive, a verdade, os boatos e as mentiras









Residencial Cristo Vive recebeu a visita do prefeito Jones William


Em função aos boatos sensacionalistas e mentirosos de pessoas inescrupulosas que torcem contra o avanço das camadas sociais que mais sofrem em nossa cidade, utilizando-se destas mães de famílias e pais de famílias tão sofridos, além de crianças e adolescentes como massa de manobra, apenas para tentar se manter na “mídia” nas redes sócias, usando artifícios abomináveis na área jornalística, criando factoides, postagens e gravações de supostas invasões militares ou despejos forçados pela nossa Polícia Militar ou Guarda Nacional, estas “estórias” com “e” são mentirosas e fantasiosas, não passam de criações de pessoas doentes emocionalmente e sem nenhuma conduta, tentando criar uma situação de desespero, e acima de tudo, criar um caos entre os civis e militares.


Fatos como estes, e pessoas como estas, devem ser expurgadas da nossa sociedade, elementos que criam uma mentira como está envolvendo 1.000 famílias que hoje residem na ocupação Cristo Vive, que lutam em defesa do direito a moradia, que, diga-se de passagem, e uma obrigação do estado, são elementos desclassificados, criando estes factoides para causar um caos naquele bairro e em toda a cidade, inclusive, muitas senhoras e idosos estão internados por problemas de saúde com medo da suposta invasão e despejo que foi anunciado nas redes sócias e wattsap por pessoas que só podem sofrer de bipolaridade.


Mais como profissional de imprensa que sou, e irmanado às famílias que hoje ocupam aquelas residências, ainda de forma não regularizada, os tranquilizamos e confirmamos a informação dos poderes constituídos do estado que não existe nenhuma programação oficial de despejo ou retirada dos ocupantes das 1.000 residências do bairro promissor Cristo Vive, e sim uma reunião com o Superintendente da CEF para uma propositura de acordo entre os ocupantes e agora até com a participação do poder público municipal.


Que tudo está sendo feito para de forma ordeira e coesa, os organismos jurídicos tomem as medidas cabíveis para equacionar o imbróglio que envolve o residencial.


Por outro lado, a iniciativa da gestão municipal de buscar junto a Caixa Econômica Federal, meios que possam garantir a municipalidade absorver aquelas residências e de forma progressiva se responsabilizar pelos pagamentos dos custos que lá foram investidos, através dos programas sociais do governo federal, como o da “Minha Casa, Minha Vida” e louvável, através do pronunciamento feiro pelo prefeito Jones William em reunião realizada na última terça-feira (4) dentro do residencial Cristo Vive, desde que sejam garantidos aqueles de direito, e principalmente as famílias carentes que necessitam de um teto para morar.


Sabemos que a área foi adquirida e deveria ser totalmente construída com os recursos do FGTS, o terreno foi adquirido pelo valor de R$ 3 milhões e os investimentos até quando as obras foram abandonadas pela última empresa construtora era da ordem de quase R$ 52 milhões.


Então já que a Prefeitura de Tucuruí passa por dificuldades financeiras, chegando a decretar estado de calamidade administrativa e financeira e em consequência as chuvas o município também está entre os que atravessam estado de emergência, assumir esta dívida e onerar em muito os cofres da PMT.


Enfim, se a Prefeitura for entrar nesta negociação, terá que sacrificar ainda mais os cofres da municipalidade e os seus contribuintes, tendo que pagar esta dívida, que já foi desembolsado o dinheiro pelo Governo Federal, ou seja, a população em geral vai pagar novamente por estas 1.000 residências, assim como já está pagando o rombo do Ipaset (parte 1) R$ 23 milhões, o rombo do Ipaset (parte 2) R$ 50 milhões e outro que virá a tona, além do rombo que já estamos pagando ao INSS de mais de R$ 200 milhões.


Se isso vier a acontecer, e viável que a Prefeitura revogue o estado de calamidade financeira e comesse a fazer o proposto aos munícipes na última eleição, pois assim saberemos que o município está muito bem de caixa.





Nenhum comentário:

Postar um comentário